Café descafeinado, seus benefícios e diferenças para o café comum

Café descafeinado, seus benefícios e difereças para o café comum

O café é uma bebida apreciada em todo o mundo e seu consumo é objeto de curiosidade e estudo. Mas e o café descafeinado? O consumo desse tipo de café apresenta benefícios à saúde? Vamos entender mais sobre as diferenças entre o café descafeinado e o café que a maioria das pessoas consome habitualmente.

COM cafeína

A cafeína é uma substância que estimula o sistema nervoso central e pode causar dependência, quando consumida em excesso. É encontrada não só no café, mas em outros alimentos e bebidas como: chá preto, chá mate, chá verde, refrigerantes (especialmente os de cola) e chocolates.

A cafeína ingerida é absorvida pelo trato gastrintestinal de maneira rápida e pode chegar a sua concentração máxima no sangue entre 15 e 120 minutos após a sua ingestão.

A quantidade de cafeína presente no café que tomamos depende de diversos pontos. Os influenciadores são os métodos de cultivo, condições de crescimento, aspectos genéticos entre outros. A quantidade de cafeína também é influenciada pela quantidade de pó contida no preparo. Além disso, os teores dessa substância também diferem dependendo do tipo de produto: se é instantâneo, torrado, regular ou descafeinado.

O excesso na ingestão de cafeína pode causar alguns desconfortos ou complicações. Algumas delas são irritabilidade, diarreia, insônia, taquicardia. Por isso, muitos médicos indicam a algumas pessoas consumir o café descafeinado ao invés do café “normal”.

SEM cafeína

O processo de descafeinação, como o nome já diz, remete à retirada da substância cafeína e é realizado em grãos crus e inteiros, antes do processo de torra do grão. De acordo com a legislação brasileira, o café descafeinado deve alcançar no máximo 0,1% de cafeína.

Um estudo revelou que as pessoas que fazem uso do café descafeinado, geralmente o fazem por conta de algum tipo de doença, muitas vezes cardiovascular. Outras pessoas também o consomem pois querem mudar o estilo de vida, deixar o hábito de fumar, ingerir bebidas alcoólicas e cafeinadas.

Cafeína X Pressão Arterial

A cafeína não deve ser considerada uma inimiga da circulação sanguínea, pois pode até causar efeito protetor a mesma. Porém, estudos apontam que a cafeína quando ingerida de forma ocasional tende a causar aumento na pressão arterial (PA). Contudo, quando a pessoa já tem o hábito de ingeri-la regularmente esse efeito no aumento da PA não é observado.

Caso possua hipertensão, pode ocorrer que, ao consumir cafeína, haja picos de pressão. No entanto, se a pessoa – mesmo hipertensa – já consome a substância com frequência, seja em bebidas ou alimentos, ela tende a ter uma tolerância maior e dificilmente sofrerá aumento na PA.

Consumo do café descafeinado e seus benefícios

Algumas pesquisas indicam que pessoas que ingerem pelo menos 6 a 7 xícaras de café por dia parecem estar propensas a um menor risco de desenvolver diabetes tipo 2, quando comparadas aos indivíduos que consomem 2 xícaras ou menos.

Mas e o descafeinado?

Sim! O café descafeinado está igualmente relacionado a um menor risco do desenvolvimento deste tipo de diabetes. Logo, acredita-se que não só a cafeína, mas também outros compostos presentes no café sejam responsáveis por essa prevenção.

Estudos verificaram que houve uma diminuição no risco de desenvolvimento de cálculos renais com o consumo diário de 240ml de café tradicional com cafeína ou descafeinado. Outros sugerem que, em pesquisa, os níveis de ácido úrico reduziram com o consumo de descafeinado.

A relação do café descafeinado com o colesterol também é boa. Após os seis meses de ingestão deste tipo de café, uma pesquisa observou que os indivíduos apresentaram uma redução significativa nos níveis de colesterol total.

Além dos benefícios citados acima, fica claro que o consumo de café descafeinado pode ser útil para algumas pessoas. A ingestão de cafeína pode diminuir a qualidade do seu sono e causar irritabilidade caso tenha ansiedade. Portanto, o consumo do descafeinado é uma opção válida que dificilmente vai lhe causar essas alterações, visto que possui uma quantidade mínima de cafeína.

Atenção: já ouvimos falar que a cafeína deve ser evitada por quem tem refluxo gastroesofágico, gastrites ou úlceras. Mas, uma curiosidade é que o café, mesmo o descafeinado, aumenta a produção de ácido no estômago. Logo, o seu consumo também não é indicado para quem possui qualquer tipo de doença gástrica, pois pode causar irritação na mucosa.

Café e Saúde

O consumo de café, desde que não seja em excesso, não apresenta riscos a indivíduos saudáveis. Esse grão, transformado em bebida, comprovadamente apresenta efeito protetor ao nosso organismo. Já foi associado a prevenção e tratamento de doenças neurológicas, hepáticas, endócrinas, renais entre outras. Por isso, o café pode sim ser considerado parte dos alimentos funcionais (aqueles que além de suas propriedades nutricionais fornecem outros benefícios à saúde).

Seus benefícios comprovados não estão somente ligados à substância cafeína, mas sim a outros componentes presentes em seus grãos. Por isso, podemos constatar que o café descafeinado é uma alternativa que também oferece ganhos à saúde.

Referências:

  1. Camargo, M. C. R., and M. C. F. Toledo. “Teor de cafeína em cafés brasileiros.” Ciênc Tecnol Aliment4 (1998): 421-4. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20611998000400012
  2. Altimari, Leandro Ricardo, et al. “Cafeína e performance em exercícios anaeróbios.” Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas1 (2006): 17-27. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbcf/v42n1/29856.pdf
  3. Abrahão, Sheila Andrade, et al. “Compostos bioativos em café integral e descafeinado e qualidade sensorial da bebida.” Pesquisa Agropecuária Brasileira12 (2009): 1799-1804. Disponível em: http://seer.sct.embrapa.br/index.php/pab/article/view/1261/5594
  4. Toci, Aline, Adriana Farah, and Luiz Carlos Trugo. “Efeito do processo de descafeinação com diclorometano sobre a composição química dos cafés arábica e robusta antes e após a torração.” Química nova5 (2006): 965. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/qn/v29n5/31058.pdf
  5. Geleilete, T. J., Eduardo Barbosa Coelho, and Fernando Nobre. “Medida da pressão arterial.” Rev Bras Hipertens vol2 (2009): 118-122. Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/16-2/13-medida.pdf
  6. Alves, Rita C., Susana Casal, and Beatriz Oliveira. “Benefícios do café na saúde: mito ou realidade.”  Nova32.8 (2009): 2169-2180. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-40422009000800031&script=sci_arttext
  7. Oliveira, R. M. E., et al. “Ação do consumo de café nos parâmetros clínicos, físicos e antropometricos de indivíduos saudáveis.” (2010). Disponível em: http://www.sbicafe.ufv.br/handle/123456789/5117
  8. Chalfoun, Sara M., et al. “PERFIL LIPÍDICO, DE INDIVÍDUOS ADULTOS, ATIVOS E SEDEN.” (2009). Disponível em: http://www.sbicafe.ufv.br/handle/123456789/2869
  9. Vomero, Nathalia Dalcin, and Elisangela Colpo. “Nutritional care in peptic ulcer.”  Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo)27.4 (2014): 298-302. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-67202014000400298&script=sci_arttext&tlng=pt
  10. Romeiro, Sara, and Mayumi Delgado. “A saúde numa chávena de café.” Revista Nutrícias15 (2012): 20-23. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S2182-72302012000400005&script=sci_abstract&tlng=en
Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *