Conheça a Chlorella: para que serve, benefícios e como utilizar

Conheça a Chlorella: para que serve, benefícios e como utilizar

A Chlorella é uma alga verde que cresce espontaneamente em águas doces e frescas, como tanques e lagos, e que possui grande habilidade de realizar a fotossíntese.

Foi a primeira microalga comercializada como pílula e distribuída para consumo humano.

Foi descoberta pelos japoneses, tradicionais consumidores de algas, os quais a apreciam e a utilizam normalmente como complemento alimentar.

A produção mundial anual de Chlorella atinge mais de 2.000 toneladas ao ano.

Resumo:

A Chlorella é uma alga verde de água doce. Ela tem uma parede celular dura e os seres humanos não podem digerir, por isso devemos tomá-la como um complemento para aproveitar seus benefícios. Está disponível em cápsula, comprimido, pó e extrato.

Composição nutricional

Essa alga contém proteínas (60%), carboidratos (23%), lipídios (9%), vitaminas e minerais (5%), contendo ainda mais de 2% de clorofila, o que lhe permite rápido crescimento.

É completa em termos de aminoácidos e contém muitos tipos de vitaminas, com destaque para o beta caroteno (precursor da vitamina A) e para a vitamina B12, difícil de ser obtida através de alimentos de origem vegetal.

Além de ser uma excelente fonte de proteínas, é uma boa fonte de sais minerais como o fósforo, o ferro, o manganês, o cobre, o zinco, o magnésio e o cálcio.

Portanto, sua composição nutricional bem equilibrada, incluindo carboidratos, proteínas, ácidos nucléicos, aminoácidos essenciais, ácidos graxos essenciais (ômega-3 e ômega-6), vitaminas, fibras alimentares e antioxidantes faz desta alga uma opção alimentar interessante na recuperação da saúde e manutenção da qualidade de vida.

Há 15 espécies conhecidas, sendo a Chlorella vulgaris a mais extensamente estudada.

Resumo:

Sua composição nutricional inclui: carboidratos, proteínas, ácidos nucléicos, aminoácidos essenciais, ácidos graxos essenciais, vitaminas, fibras alimentares e antioxidantes.

Para que serve e função da Chlorella

A Chlorella apresenta efeito terapêutico e tem sido cada vez mais utilizada na alimentação.

Possui certificado GRAS (Generally Recognized As Safe) emitido pelo FDA (Food and Drug Administration), podendo ser utilizada como alimento sem oferecer risco à saúde humana.

Países como Estados Unidos, Japão e toda a Europa liberam e aceitam o seu consumo.

Atualmente, há numerosas aplicações comerciais de microalgas.

Podem ser usadas para realçar o valor nutricional da alimentação humana bem como serem usadas para a fabricação de ração animal devido a rica composição química.

Representam função crucial na aqüicultura e podem ser incorporados aos cosméticos.

Além disso, são cultivadas como fonte de alto valor molecular (gordura poli-insaturada).

São adicionadas em fórmulas infantis e suplementos nutricionais.

Ainda, como pigmentos, são importantes como corantes naturais.

Um dos principais componentes das microalgas são os lipídios que desempenham um importante papel como fonte de energia e de ácidos graxos essenciais.

Estes últimos devem ser adicionados a dieta, pois não podem ser sintetizados pelo metabolismo.

Os nutrientes da Chlorella são melhor aproveitados pelo organismo quando as células, que são protegidas por uma parede celular, são desintegradas durante o processo de secagem, possibilitando que seus nutrientes sejam amplamente absorvidos pelo metabolismo.

Resumo:

Apresenta efeito terapêutico, pode ser usada na gastronomia, na alimentação de animais (ração), fórmulas infantis.

Benefícios da Chlorella

  • Promove ativação do sistema imunológico e, dessa forma, melhora a proteção contra infecções;
  • Manutenção e rejuvenescimento das células;
  • Promove a desintoxicação orgânica, inclusive de metais pesados como o chumbo e cádmio;
  • Elimina toxinas provenientes de alimentos industrializados;
  • Tem ação protetora contra agentes tóxicos, poluentes e radiação, principalmente atômica e solar (raios ultravioletas);
  • É um excelente protetor contra o câncer, por sua propriedade antioxidante;
  • Capacidade desintoxicante devido a sua alta concentração em clorofila;
  • Tem efeito hipoglicêmico e reduz a hiperlipidemia, por induzir um aumento na expressão do GLUT-4, melhorando a sensibilidade à insulina no fígado, músculo e tecido adiposo;
  • Melhora do sistema digestivo;
  • Auxilia no controle da obesidade, promovendo uma sensação de saciedade quando ingerida antes das refeições;
  • Previne problemas cardíacos;
  • Controla a hipertensão arterial;
  • Controla os níveis de colesterol.

A Chlorella tem capacidade de “produzir” compostos nutracêuticos, ácidos graxos poli-insaturados e pigmentos carotenóides, que apresentam propriedades terapêuticas.

Resumo:

Possui vários benefícios à saúde, como: controle dos níveis de colesterol, pressão arterial, cardioprotetor, antioxidante, auxilia na perda de peso, é anti-inflamatória, .

Outros benefícios

Uso da Chlorella no emagrecimento

A Chlorella não possui efeito emagrecedor, mas alguns estudos relatam que pessoas submetidas ao uso da alga durante um período de restrição alimentar, sentem diminuir a fome e perdem o desejo por refeições desnecessárias.

Por conter altas concentrações de proteínas, pode parcialmente satisfazer o apetite enquanto é digerida, pois provoca a liberação de substâncias como a CCK, que tem efeito de estimular a saciedade.

Dentre as proteínas, o principal aminoácido presente na alga é o triptofano.

Quando esse entra em contato com o suco gástrico libera esse aminoácido que se expande como uma esponja, podendo gerar saciedade antes mesmo da distensão do estômago pelos alimentos.

Sendo assim, a alga Chlorella vulgaris surge como uma promissora alternativa terapêutica e/ou complementar no tratamento da obesidade e suas complicações.

Tratamento e prevenção de anemia

Dentre os minerais presentes na composição da Chlorella, convém ressaltar as concentrações de ferro em relação às principais fontes convencionais, como as carnes vermelhas e as vísceras, sendo o fígado o mais importante.

Além disso, as vitaminas do complexo B, principalmente a B12, vitais na formação e regeneração das células sanguíneas, estão presentes em grandes quantidades.

A administração de Chlorella em pacientes anêmicos pode estimular a produção de hemoglobina, presumivelmente pela clorofila prover uma maior concentração de precursores nas reações de formação de hemoglobina. Dessa forma, uma suplementação com Chlorella, juntamente com uma suplementação de ferro, pode acelerar a recuperação do paciente anêmico.

Previne o envelhecimento precoce

Por apresentar elevadas concentrações de beta caroteno, torna-se um excelente antioxidante, que pode proteger o organismo de radicais livres.

Resumo:

Ajuda a baixar os níveis de açúcar no sangue e aumentar a sensibilidade à insulina, é antioxidante e ajuda no tratamento da obesidade.

Como consumir Chlorella

A Chlorella pode ser encontrada em forma de pílulas, pó (para misturas em alimentos), sucos, extratos concentrados líquidos e barras gelatinosas.

Antes de iniciar tal suplementação, é ideal procurar um nutricionista, para que o mesmo informe a melhor forma e também a quantidade que deverá consumir.

No entanto, de maneira geral, como nenhum efeito tóxico foi visto, sugere-se que as pessoas tomem 3 gramas da alga por dia, para produzir seus efeitos terapêuticos.

Recomenda-se tomar de forma gradual, sendo que na primeira semana é possível tomar 1 grama, o que equivale a 4 comprimidos de 250mg.

Nas próximas semanas você pode aumentar a ingestão de forma gradual na proporção de 1 comprimido/dia até atingir a quantidade de 3 gramas, ou 12 comprimidos de 250mg.

Resumo:

 Pode ser consumida como suplemento, em cápsulas e pós. A dose de 2 a 3 gramas indicada pela maioria dos suplementos parece adequada, dadas as doses utilizadas nos estudos.

Cuidados com a procedência

O consumo da Chlorella deve ser muito criterioso, pois há, infelizmente, falsificação desse produto. É essencial compra-la de um fabricante confiável.

Se não processada corretamente, a alga pode conter uma concentração elevada de substâncias tóxicas chamadas de  microcistinas e anatoxina.

Estas toxinas podem acumular-se em seu sistema e afetar o fígado e sistema nervoso, especialmente se a estiver consumindo por um período longo de tempo.

Também pode ser contaminada com metais pesados ​​ou toxinas de bactérias a partir de escoamento de fertilizantes animais.

Em geral, recomenda-se a importada do Japão – onde os métodos de produção são os mais adequados – ou algum produtor de sua confiança.

Resumo:

Procure um selo de garantia de qualidade para garantir que você está recebendo o que você paga.

Efeitos colaterais

Sabe-se que o consumo excessivo de Chlorella pode aumentar a sensibilidade à luz do sol, bem como causar náuseas e diarreia.

Outros efeitos colaterais da Chlorella incluem dores de cabeça, gases e alteração na cor das fezes.

Contra indicações

Não são conhecidas contraindicações da Chlorella, no entanto, mulheres grávidas, em fase de aleitamento ou crianças, devem consultar um nutricionista antes de iniciar a ingestão.

Referências:

  1. PANAHI, Y., DARVISHI, B., JOWZI, N., BEIRAGHDAR, F., SAHEBKAR, A. Chlorella vulgaris: A Multifunctional Dietary Supplement with Diverse Medicinal Properties. Curr Pharm Des. 2016;22(2):164-73. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26561078
  2. SAFI, C., ZEBIB, B., MERAH, O., ET AL. Morphology, composition, production, processing and applications of Chlorella vulgaris: A review. Science Direct, Volume 35, July 2014, Pages 265-278. https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1364032114002342
  3. BERTOLDI, F. C. et. al. Teor de clorofila e perfil de sais minerais de Chlorella vulgaris cultivada em solução hidropônica residual. Cienc. Rural. v. 38. n. 1. Santa Maria. Jan./Feb. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-84782008000100009&script=sci_arttext
  4. TEIXEIRA, C. et al. A eficácia da Chlorella como inibidor de apetite associada ao exercício físico e dieta balanceada alterando a composição corporal. Rev. Bras. de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo v. 2, n. 11, p. 423-433. Set/Out. 2008. Disponível em: http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/104
  5. VECINA, J. F. Atividade moduladora da alga Chlorella vulgaris sobre os parâmetros imunohematopoéticos, metabólicos e de sinalização de insulina em animais obesos. Tese (Doutorado) – Unicamp. Campinas, 2013. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/311299/1/Vecina_JulianaFalcato_D.pdf
  6. COSTA, J. A. V. et al. Perfil de ácidos graxos das microalgas Chlorella vulgaris e Chlorella minutissima cultivadas em diferentes condições. Alim. Nutr., Araraquara, v. 17, n. 4, p. 429-436, out./dez. 2006. Disponível em: http://repositorio.furg.br/xmlui/handle/1/4517
  7. SOUZA, M. M. Potencial antifúngico, antioxidante e inibidor da produção de aflatoxina por extratos fenólicos de Chlorella sp. E Spirulina platensis. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande – RS, 2012. Disponível em: http://repositorio.furg.br/handle/1/6183
  8. BORGHETTI, I. A.  Avaliação do crescimento da microalga Chlorella minutissima em meio de cultura com diferentes concentrações de manipueira.  Tese (Mestrado) – UFP, Curitiba, 2009. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/20227/Dissertacao?sequence=1
Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *