Dieta amazônica: o que é, benefícios, como fazer e cardápios

PUBLICIDADE

Você já ou falar em tucumã, pupunha, cubiu, jaraqui?

Se sua resposta for não, fique sabendo que esses são alimentos tipicamente brasileiros, especificamente da região amazônica, e constituem a base de uma dieta que promete saúde e longevidade, a Dieta Amazônica!

O que é a dieta amazônica

Idealizada pelo médico geriatra Euler Ribeiro em conjunto com a também médica geneticista Ivana Cruz, a dieta amazônica surgiu da curiosidade em desvendar os fatores associados à longevidade da população de Maués, a 267 quilômetros de Manaus. O município, de acordo com o IBGE, possui 1% da população com 80 anos, quando a média nacional nessa faixa é de 0,5%.

De acordo com Euler, que também é um dos autores do livro Dieta Amazônica, “tudo começou com a divulgação pelo IBGE dos dados que apontaram ser Maués o município com o maior contingente populacional com 80 anos de idade. Formei, então, um grupo para estudarmos o envelhecimento do homem na floresta, e convidei a doutora em Genética Humana Ivana Cruz, conhecida pelas pesquisas sobre o envelhecimento celular, para integrar o trabalho”.

O objetivo era o de avaliar quais os motivos do envelhecimento saudável da população, levando-se em conta os aspectos da nutrição à base de produtos da floresta e a da rotina de atividades desenvolvidas por eles ao longo da vida.

Após 2 anos de pesquisas, a conclusão foi a de que a longevidade se deve à alimentação das pessoas, à base de frutas, peixe e mandioca. A nutrição é, sem dúvida, um fator preponderante. Na sua dieta, o homem da floresta come peixes, derivados da mandioca e muitas frutas.

Outros dois fatores têm papel importante na longevidade de Maués: a atividade física e o descanso. A população ribeirinha é muito ativa e não deixa de dormir 8 horas por dia. De acordo com os especialistas, é a soma de todos esses fatores que garante uma menor incidência de doenças graves como a hipertensão (pressão alta), o diabetes e os incidentes cardiovasculares, garantindo saúde e impactando positivamente e de forma direta na qualidade de vida.

Resumo

A dieta amazônica é baseada em alimentos da região amazônica, que basicamente são ricos em nutrientes antioxidantes e anti-inflamatórios. Essa alimentação também é rica em fibras e em alimentos com baixo teor de sódio, além de ser isenta de frituras e de alimentos industrializados.

Benefícios da dieta amazônica

A dieta amazônica é composta basicamente por frutas regionais, peixes e derivados da mandioca. Abaixo listamos os principais alimentos que a compões e o benefício de cada um deles para a melhora da saúde.

VEJA TAMBÉM:  Diferenças entre frutose, glicose e sacarose

Açaí

Em termos nutricionais, o açaí é um alimento de alto valor energético possuindo grande concentração de gorduras e sendo rico em proteínas e sais minerais. O açaí também é rico em vitaminas C e E que têm propriedades antioxidantes bem conhecidas.

Além disso, essa fruta apresenta propriedades importantes na saúde: ajuda o corpo a combater/prevenir alguns tipos de câncer, protege o coração, e age modulando a síndrome metabólica, como desintoxicante e no controle da dor.

Pupunha

É rica em vitamina A e fibras, sendo indicado o consumo do produto com coloração mais acentuada, porque, quanto mais forte for o tom de laranja, maior a concentração da vitamina.

Tucumã

Rico em vitamina A e em fibras que auxiliam no bom funcionamento do intestino. Quanto mais alaranjado, maior a concentração de vitamina A.

Tambaqui

É um peixe de escamas que tem como alimentos principais os frutos e as sementes. Entre as espécies amazônicas, é uma das mais ricas em proteínas, e sua composição apresenta boa proporção de gorduras poli-insaturadas, que são as mais benéficas para a saúde (protegem o coração e ajudam a manter o colesterol em dia)

Buriti 

É um fruto amazônico que possui diversas propriedades nutricionais e bioquímicas importantes para o nosso organismo. Estudos mostram que o buriti é um filtro solar natural, tem efeito antioxidante, age beneficamente na saúde dos olhos e contribui para o bom funcionamento dos sistemas nervoso e cardiovascular.

Jaraqui

Um dos peixes mais populares da Amazônia, o jaraqui tem grandes qualidades nutritivas, como proporção de ômega 3 acima de várias outras espécies de peixes amazônicos. Possui ainda sais minerais importantes para a saúde, como cálcio, ferro, zinco, sódio, potássio e selênio. Suas proteínas também têm alto valor nutricional.

Camu-camu

É a fruta mais rica em vitamina C que se conhece. Tem também propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, que protegem o coração e atuam na prevenção e terapia de alguns tipos de câncer. A fruta age na proteção de distúrbios gastrointestinais, na desintoxicação corporal e auxilia na perda de peso.

Guaraná

As propriedades funcionais do guaraná já eram bem conhecidas por povos tradicionais que consomem o pó da semente desta fruta desde os tempos pré-colombianos. Evidências científicas confirmam grande parte dessas propriedades, que têm ação antioxidante, antibacteriana, antialérgica e antifatigante, entre outras.

Pacu

O pacu é um peixe de escamas que se alimenta preferencialmente de vegetais, sendo uma espécie que não contém muita gordura. Entretanto, é rico em ácido graxo linoléico e em proteínas. A quantidade de ômega 3 deste peixe é similar à encontrada no bacalhau e na corvina.

Mandioca

A mandioca contém vitaminas do complexo B em grande quantidade, fibras solúveis e proteínas, além de ser uma importante fonte de energia.

Vale lembrar ainda que o que não é consumido também faz diferença no quesito longevidade. Sal, por exemplo, não entra no cardápio, assim como frituras. Os alimentos são temperados apenas com cebola, alho, cheiro verde e outras ervas e os peixes são assados.

Resumo

A inclusão de alimentos como os acima listados impactam de forma positiva no organismo combatendo alguns tipos de câncer, auxiliando no controle do colesterol, protegendo contra doenças do coração e melhorando o funcionamento do sistema imunológico e do sistema nervoso.

Como fazer a dieta e cardápios fáceis

Para fazer a dieta amazônica basta inserir os alimentos listados acima na sua rotina alimentar. Talvez você não encontre os alimentos dessa dieta com muita facilidade, mas vale a pena tentar. Os pesquisadores envolvidos dizem que esta é a “dieta do mediterrâneo brasileira”!

Por exemplo, você pode iniciar seu café da manhã com um suco super energético e antioxidante de açaí (mas não vale ser aquele com adição de xarope de guaraná e outros aditivos) com pó de guaraná.

No almoço e jantar substitua o arroz por uma porção de mandioca cozida e um belo pedaço de peixe (pacu, tambaqui, jaraqui, bodó).

Para o lanche você pode apostar em uma porção de tucumã ou de pupunha cozida; ou então um suco de buriti, com graviola!

Referências:

  1. Ribeiro, E., Cruz, I. B. M.da. Dieta Amazônica. Editora Cultural da Amazônia.1° ed. 2012.
PUBLICIDADE

Escrito por

Andrea Rampazzo

Nutricionista com CRN 31884 formada em Nutrição pela Universidade Federal de Alfenas – MG

Mestre Fisiologia da Nutrição pelo Departamento de Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria – UNIFESP. Pós- graduanda em Metabolismo do atleta pelo Instituto Hi-Nutrition. Atua como nutricionista clínica no "Espaço Evoluir" na cidade de Itupeva-SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *