Ginkgo Biloba: Benefícios e como funciona, utilização e contraindicações

Abordaremos neste post essa planta que combate o envelhecimento precoce e o cansaço mental, protege o coração e ainda turbina seu cérebro!

Ginkgo biloba é uma árvore nativa da China, Coreia e Japão, que foi considerada por Charles Darwin um “fóssil vivo”, isso porque a árvore pode sobreviver por 1.000 anos e chegar a 30 metros de altura. É uma das espécies vegetais mais antigas do mundo, com relatos de prescrição de chás das folhas da árvore para fins medicinais que datam de 1436, durante a dinastia Ming.

Quais os benefícios do Ginkgo Biloba

Preparações medicamentosas derivadas desta estão entre os medicamentos fitoterápicos mais prescritos no mundo, sendo utilizadas para uma série de doenças, como problemas de concentração, tonturas, zumbidos nos ouvidos, dores de cabeça e, particularmente, distúrbios cognitivos (que são problemas com raciocínio, atenção e memória).

Os principais benefícios alegados por laboratórios farmacêuticos do mundo inteiro são àqueles associados a melhora na concentração, memória e alívio de sintomas da demência!

Resumo

Os principais benefícios associados ao uso do extrato de ginkgo biloba são:

  • Melhora na concentração e memória;
  • Ação antioxidante;
  • Ajuda a melhorar a saúde do coração e a regular a pressão arterial;
  • Melhora os sintomas de demência (principalmente relacionada ao Alzheimer);
  • Efeitos sobre o comportamento (humor e cognição).

Como ele funciona e age em nosso corpo

O extrato desta planta, denominado egb 761, contém porcentagens específicas de substâncias chamadas de glicosídeos de ginkgoflavonas (24%) e terpenóides (6%), que em conjunto promovem o “aumento” do suprimento sanguíneo por todo o corpo e inclusive para o cérebro, uma vez que causam a dilatação dos vasos sanguíneos e tornam o sangue mais fluido, além de reduzir os radicais livres nos tecidos nervosos.

Listamos abaixo, de maneira simplificada, como o ginkgo biloba age no nosso corpo, acarretando os benefícios citados acima:

  • Melhora na concentração e memória: como dissemos anteriormente, o ginkgo melhora a circulação sanguínea, aumentando a quantidade de sangue e, consequentemente, de oxigênio disponível pro corpo todo, sendo que um desses locais é o nosso cérebro, o que acaba melhorando o desempenho cerebral e a memória, e evitando também cansaço mental!
  • Antioxidante: o extrato dessa planta combate de maneira eficiente os radicais livres provenientes do oxigênio e isso acaba agindo como um fator “antienvelhecimento” pro corpo todo, o que resulta em melhora geral da saúde…
  • Ajuda a melhorar a saúde do coração e a regular a pressão arterial: estudos recentes abordando a possível ação do extrato do ginkgo na proteção cardiovascular apontam-no como promissor agente terapêutico para tais doenças. Uma hipótese para tal é o efeito de dilatar os vasos e tornar o sangue mais fluido, o que evitaria o aumento da pressão, formação de coágulos, dentre outros fatores que poderiam levar a desfechos relacionados às doenças do coração e vasos sanguíneos (como infarto, derrames, etc);
  • Melhora nos sintomas de demência (Alzheimer, principalmente): estudo realizado com mais de 100 indivíduos com idade entre 50 e 80 anos, portadores da doença de Alzheimer, apresentaram melhora nos sintomas após 6 meses de tratamento com o extrato de ginkgo biloba. Uma das hipóteses para tal efeito seria o fato de aumentar o suprimento de oxigênio para o cérebro evitando a morte de neurônios!
  • Efeitos sobre o humor: um estudo conduzido com mulheres na pós menopausa conclui que o grupo de estudo submetido ao consumo do extrato de ginkgo pareceu apresentar melhores resultados de humor e cognição (memória), do que o grupo que havia tomado placebo. Embora o próprio pesquisador sugira a realização de mais estudos, esse é um achado importante!

Resumo

O extrato desta planta contém porcentagens específicas de substâncias chamadas de glicosídeos de ginkgoflavonas e terpenóides, que em conjunto promovem o “aumento” do suprimento sanguíneo por todo o corpo e inclusive para o cérebro, uma vez que causam a dilatação dos vasos sanguíneos e tornam o sangue mais fluido, além de reduzir os radicais livres nos tecidos nervosos!

Formas corretas de utilizar e contraindicações

Em primeiro lugar, é importante deixar claro que antes de começar a utilizar o ginkgo biloba, você deve consultar seu médico para que ele avalie a real necessidade, eficiência e riscos que a planta pode trazer para sua saúde!

Dito isso, o modo de uso do ginkgo biloba pode variar de acordo com o benefício que se pretende alcançar e da marca do laboratório que está produzindo o suplemento.

No entanto, a dosagem padrão de extrato seco de ginkgo biloba para melhorar a saúde mental é de 120 a 240 mg, 1 a 3 vezes por dia, durante as refeições.

Além disso, existem algumas outras formas de utilização do ginkgo biloba, tais como:

  • Infusão: uma colher de sobremesa por xícara, duas a três xícaras ao dia, antes das refeições
  • Pó: 600 a 900 mg ao dia, em três doses, antes das refeições
  • Extrato glicólico: 2 a 5%, em cremes, shampoos e sabonetes
  • Tintura: 2 a 10 ml, até 3 vezes ao dia

Resumo

Em primeiro lugar, é importante deixar claro que antes de começar a utilizar o ginkgo biloba, você deve consultar seu médico para que ele avalie a real necessidade, eficiência e riscos que a planta pode trazer para sua saúde!

A forma de administração bem como a dosagem utilizada irão depender do benefício ao qual você almeja alcançar.

Contraindicações e cuidados na utilização do Ginkgo Biloba

Não possui contraindicações descritas na literatura, porém deve-se ter cuidados quanto à hipersensibilidade.

Apesar de não indicarem em estudos experimentais qualquer ação teratogênica (ou seja, pode causar má formação no feto), recomenda-se evitar o uso durante o primeiro trimestre de gestação, e apenas sob orientação médica durante a amamentação.

Pode ocorrer alguns efeitos colaterais como distúrbios gastrintestinais, transtornos circulatórios (incluindo queda de pressão arterial), dor de cabeça ou reações na pele. Por isso, consulte SEMPRE um médico ou nutricionista!

Leia também: Tudo sobre Cactínea: como funciona no emagrecimento e dosagens

Referências:

  1. Hartley, D.E., et al. Effects on cognition and mood in postmenopausal women of 1-week treatment with Ginkgo biloba. Pharmacol Biochem Behav 2003 jun; 75(3): 711-20. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0091305703001230?via%3Dihub
  2. Mazza M, et al. Ginkgo biloba and donepezil: a comparison in the treatment of Alzheimer’s dementia in a randomized placebo-controlled double-blind study. Eur J Neur 2006 sep; 13(9): 981-5. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1468-1331.2006.01409.x
  3. Filho, A. do C., Fakoury, M. K., Ferry, F. R. de A. Ginkgo biloba and memory – systematic review. REV. BRAS. GERIATR. GERONTOL., RIO DE JANEIRO, 2010; 13(1):145-152. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v13n1/a15v13n1.pdf
  4. Tian, J., Liu, Y., Chen, K. Ginkgo biloba Extract in Vascular Protection: Molecular Mechanisms and Clinical Applications. Curr Vasc Pharmacol. 2017;15(6):532-548. Disponível em: http://www.eurekaselect.com/154181/article
  5. Le Bars, P.L., et al. A placebo-controlled, doubleblind, randomized trial of an extract of Ginkgo
    biloba for dementia: north american Egb study group. JAMA 1997 out; 278(16): 1327-32. Disponível em: https://jamanetwork.com/journals/jama/article-abstract/418442

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *