Gordura no fígado ou esteatose hepática, como tratar através da dieta!

Gordura no fígado ou esteatose hepática, como tratar através da dieta!

O Fígado

O fígado é uma glândula presente no corpo humano, de grande dimensão e capacidade regenerativa.

Esse órgão é extremamente importante e possui diversas funções no organismo. Ele é responsável pela sintetização (produção) e armazenamento de glicose, sintetização de aminoácidos, proteínas séricas, fatores de coagulação e geração de energia.

É ele também que possui a importante função de armazenar todas as vitaminas lipossolúveis provenientes da dieta (vitaminas A, D, E e K), armazenar vitamina B12, ativar o ácido fólico e armazenar diversos minerais (zinco, ferro, cobre, magnésio).

Além de tudo isso, o fígado ainda possui a função de detoxificação de álcool, drogas, amônia, excreção de hormônios esteróides e remoção de bactérias e detritos no sangue.

Deu pra notar sua importância, não é mesmo? Então, não é difícil de imaginar as consequências catastróficas que podem ser desencadeadas, no caso do comprometimento de suas funções causadas por doenças hepáticas.

A Esteatose Hepática

A esteatose hepática é uma condição clínica caracterizada pelo acúmulo de triglicerídeos nas células do fígado (hepatócitos). Existem duas maneiras distintas em que a esteatose pode ocorrer no fígado:

  1. Excesso de consumo de álcool (Hepatite Alcoólica)
  2. Não alcoólica (Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica)

Hepatite Alcoólica

Ao ser metabolizado, o álcool gera acetaldeído e hidrogênio. O consumo abusivo de álcool, ao gerar excesso de acetaldeído, provoca lesão tecidual no fígado.

Já o excesso de hidrogênio gera o quadro de esteatose, ou acúmulo de gordura no fígado.

A combinação desses dois fatores levam ao quadro de Hepatite, que pode evoluir para doenças mais graves, com a formação de fibrose, cirrose e até mesmo câncer de fígado.

Alguns fatores são importantes no desenvolvimento da hepatite alcoólica, além do abuso de álcool:

  • Herança genética
  • Sexo (mulheres são mais suscetíveis)
  • Drogas
  • Imunidade
  • Estado nutricional

Para que o quadro de esteatose causado pela hepatite alcoólica consiga ser revertido, é necessário a interrupção do consumo de álcool.

Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica

A doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) é uma doença caracterizada pelo acúmulo de triglicerídeos em mais de 5% dos hepatócitos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Hepatologia, a DHGNA é um problema de saúde pública, acometendo entre 20 e 40% dos indivíduos obesos.

Para que essa condição não evolua para doenças mais graves, é importante que a esteatose hepática seja tratada antes de atingir seu estágio crônico, que pode levar a formação de fibrose, desenvolvimento de cirrose e câncer de fígado.

Principais causas

As causas mais comuns da esteatose hepática, no geral, são a hepatite C e o abuso de bebidas alcoólicas. Entretanto, existem outros fatores que podem desencadear essa condição:

  • Obesidade
  • Diabetes tipo 2
  • Resistência à insulina
  • Hipertrigliceridemia
  • Hipertireoidismo
  • Medicamentos
  • Maus hábitos alimentares

Principais sintomas

A esteatose é geralmente assintomática, ou seja, não apresenta sintomas. Em poucos casos, normalmente em pacientes pediátricos, podem ocorrer os seguintes sintomas:

  • Dor abdominal
  • Desconforto abdominal
  • Fadiga
  • Hepatomegalia

Tratamento Nutricional

No tratamento nutricional da esteatose hepática é fundamental que ocorra uma mudança do estilo de vida do paciente.

Na maioria dos casos, é necessário que ocorra perda de peso. Porém, essa perda deve ser gradual, uma vez que uma perda brusca de peso pode piorar o quadro, levando a cirrose e aumentando os riscos do desenvolvimento de cálculos biliares.

Entretanto, em todos os casos, para que haja sucesso no tratamento da esteatose hepática, é necessário realizar uma mudança dos hábitos alimentares, somado à prática de atividade física regular.

Perda de Peso

Perder peso pode ser uma boa estratégia no tratamento nutricional da esteatose hepática, pois com isso aumenta-se a sensibilidade à insulina.

Recomendação

Para que ocorra a perda de peso, deve-se restringir em parte as calorias consumidas diariamente, além de realizar atividade física aeróbia diariamente.

Procure seu Nutricionista para que essa perda de peso seja feita de forma adequada.

Substituição dos Carboidratos Refinados

Os carboidratos presentes na dieta devem ser de origem de grãos integrais, frutas e vegetais.

Com essa medida, a quantidade de fibras consumida é naturalmente aumentada, evitando assim o consumo de alimentos de alto índice glicêmico.

Recomendação

Cereais integrais – pelo menos 1 vez ao dia (arroz integral, massas integrais, aveia, linhaça, chia etc).

Leguminosas – pelo menos 1 vez ao dia (feijão, ervilha, grão de bico, soja, lentilha).

Frutas e vegetais – de 3 a 5 porções por dia.

Evitar Dietas Hiperlipídicas

O excesso de gorduras, muito comum em dietas de restrição de carboidratos, podem provocar a resistência insulínica.

Além disso, deve-se reduzir a quantidade de gorduras saturadas consumidas, priorizando as gorduras insaturadas como principal fonte lipídica.

Assim, eleva-se a sensibilidade à insulina. Além disso, os ácidos graxos insaturados atuam como anti inflamatórios, reduzindo as inflamações e a esteatose hepática.

Recomendação

O ácido linolênico, conhecido como ômega 3, é um ácido graxo essencial, insaturado, e importante componente das membranas e da matriz estrutural de todas as células.

O consumo de 1 g/dia de ômega 3 é capaz de reduzir inflamação e a infiltração gordurosa.

Fontes alimentares de ácido linolênico:

  • Peixes de águas frias e profundas (Atum, Sardinha, Cavala, Truta)
  • Óleos vegetais de Linhaça e Canola

Priorizar o Consumo de Carnes Magras

As carnes vermelhas são naturalmente mais gordurosas, devendo ser evitadas no caso de esteatose hepática.

Recomendação

Priorize o consumo de proteínas vegetais e proteínas de alto valor biológico contidas nas carnes magras.

Fontes de proteínas vegetais – quinoa, grão de bico, feijão, amaranto, tofu, leites vegetais etc.

Carnes magras – aves e peixes.

Incluir Soja na Alimentação

A soja é indicada no tratamento da esteatose hepática, devido ao alto teor de proteínas de alto valor biológico, fibras e isoflavonóides.

O consumo de soja confere mobilização da gordura localizada nas células do fígado.

Recomendação

A recomendação é de 25 gramas de proteína de soja na dieta dos pacientes que apresentam esteatose.

Com essa conduta, é possível controlar a dislipidemia, reduzir a glicemia de jejum e aumentar a tolerância a glicose.

Incluir Fontes de Antioxidantes na Alimentação

Os antioxidantes exercem função na proteção celular, sendo indispensáveis no tratamento da esteatose hepática.

Recomendação

As frutas e hortaliças são boas fontes de substâncias antioxidantes.

Para maior aporte de antioxidantes, deve-se consumir alimentos ricos em zinco e selênio, e assim reduzir os riscos de agravamento do quadro de esteatose.

Fontes – castanha do Pará, castanha de caju, nozes, brócolis, cebola, alho, cereais integrais, fígado, peixes e frutos do mar.

Vitamina E

A vitamina E tem como principal propriedade química ser um potente antioxidante. Além disso, quando associada a vitamina C, possui efeito antioxidante ainda mais estável.

Recomendação

Recomenda-se o consumo de 400 a 1200 UI de vitamina E por alguns meses para reduzir o dano hepático.

Fontes de vitamina E – peixes, ovos, nozes, castanhas, abacate, sementes de girassol, amêndoas, avelã etc.

Confira uma lista completa dos alimentos fonte de vitamina E aqui.

Suplementação

Em alguns casos, a alimentação sozinha não é o suficiente para reverter o dano hepático causado pela doença no fígado.

Então, nessa situação é recomendado a utilização de suplementos, a base de lecitina e fatores lipotrópicos (colina, inositol e L-metionina).

Lembrando: suplementos são medicamentos. Nunca tome nenhum tipo de medicamento sem orientação profissional.

Como Prevenir a Esteatose Hepática

Não só no tratamento, mas alimentar-se de forma adequada e realizar atividade física é muito importante para prevenir as doenças de forma geral, o que inclui a condição de esteatose e de outras doenças do fígado.

Sendo um órgão tão importante para o funcionamento normal do organismo, cuidar para que ele não adoeça é fundamental ao se buscar qualidade de vida.

Assim, é importante seguir algumas recomendações nutricionais.

Evite o consumo abusivo de álcool

Em doses controladas, o álcool pode ser até benéfico, pois favorece a redução de colesterol e protege contra doenças cardiovasculares.

Porém, o excesso de álcool induz o aumento de triglicerídeos, provocando seu acúmulo nos hepatócitos.

Evite alimentos gordurosos

Dietas hipercalóricas, a base de alimentos gordurosos, principalmente fontes de gordura saturada, e sem aporte nutricional significativo são contra indicadas.

Evite ao máximo as frituras, doces, chocolates, cereais refinados, carnes vermelhas, sorvetes, refrigerantes, queijos amarelos etc.

Procure seu Médico e Nutricionista

Realizar exames de rotina e buscar orientação nutricional é de extrema importância para seguir em uma vida equilibrada.

Procure um profissional especializado e cuide da sua saúde. Afinal, prevenir é sempre a melhor escolha.

Referências:

  1. Krause, MV. Mahan, LK. Escott-stump, S. Krause – Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 12ᵃ ed. 2ᵃ tiragem. São Paulo:Roca, 2010.
  2. Cuppari, L. Guia de Nutrição: nutrição clínica no adulto. 2ᵃ São Paulo: Manole, 2014.
  3. Sociedade Brasileira de Hepatologia. Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica. Revista Monotemático. Disponível em: http://www.sbhepatologia.org.br/pdf/revista_monotematico_hepato.pdf
Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *