Quais as diferenças entre café expresso, orgânico, descafeinado e coado?

Quais as difereças entre café expresso, orgânico, descafeinado e coado?

As variedades de café existentes são inúmeras. Grande parte do nosso consumo é da variedade do café arábica.

Mais fortes, de sabor mais suave, com mais ou menos amargor, o fato é: o café é uma bebida amplamente consumida e amada por muitos.

Seu consumo pode até causar dependência (por conta da cafeína), mas sabendo manter o equilíbrio na ingestão, podemos apreciar essa bebida sem prejuízos à nossa saúde, pelo contrário.

Neste texto vamos falar um pouco sobre as diferenças entre o café expresso, o orgânico, o descafeinado e por fim o coado.

Café espresso?

O café expresso (conhecido assim na língua portuguesa) muito pedido nas cafeterias, é marcante por seu sabor forte e espuma característica.

Essa variedade de café também pode ser escrita de outra maneira: espresso. Vamos entender?

Um espresso é preparado através da passagem de água bem quente sob pressão, em contato com os grãos de café moídos.

Por isso, o termo espresso se refere à pressão sobre o grão “espremendo” o mesmo, e não ao seu preparo de forma rápida, expressa.

Mas até que os dois significados fazem sentido, não é?

Um estudo realizado na cidade de Campinas em São Paulo avaliou o teor de cafeína de diversos cafés obtidos no comercio local da cidade.

Essa pesquisa apontou que a quantidade de cafeína encontrada em cafés expressos era em média, bem maior do que a normalmente observada em cafés tradicionais.

Isto se explica porque para o preparo do café expresso é utilizado em média o dobro de pó quando comparado ao café normal.

Com isso, o estudo alertou que dependendo da marca, um café expresso pode conter mais de 70mg de cafeína por xícara, praticamente o dobro do café convencional.

É cientificamente comprovado que tomar de três a quatro xícaras de café expresso por dia tende a reduzir dores de cabeça crônicas em consumidores assíduos de café.

Porém, devemos lembrar que o expresso é mais forte que o café tradicional, pois contém mais cafeína.

Logo, se de alguma maneira a cafeína prejudica seu humor, sono ou saúde física, evite tomar esse tipo de café.

Resumo:

Café espresso ou expresso, podemos falar dos dois jeitos, dependendo do preparo. Esse tipo de café contém mais cafeína que os demais.

Café Orgânico

As principais motivações para se consumir orgânicos no Brasil estão ligadas a um maior cuidado com a saúde.

Uma pesquisa realizada em duas regiões do Brasil aponta que esta é a principal ideia das pessoas em relação a alimentação orgânica: os alimentos orgânicos fazem bem ao nosso organismo.

De fato, os orgânicos são cultivados de maneira diferente do cultivo tradicional, pois não contam com a adição de agrotóxicos e outros pesticidas.

Algumas pessoas também relataram que os alimentos orgânicos contêm mais sabor e qualidade por serem mais “naturais”.

Porém, a pesquisa concluiu que esse tipo de alimento não é acessível a todos, e sim mais especificamente as classes de poder aquisitivo mais alto.

Logo, o preço é um dos fatores que influencia na aceitação dos orgânicos.

A cafeicultura através da agricultura orgânica gera trabalho e renda no campo de cultivo, evitando assim parte do êxodo rural.

A produção de café orgânico é considerada ambientalmente mais sustentável do que a produção de café convencional, por minimizar os impactos ambientais.

Para a saúde, o consumo de café orgânico ao invés do tradicional, nos traz os benefícios comentados acima.

Não ingerir aditivos químicos em conjunto com os ganhos de antioxidantes – substâncias que auxiliam no combate aos radicais livres presentes em nosso organismo – que compõe o café, contribui para a nossa saúde como um todo e para prevenção de doenças como o câncer.

Resumo:

Não contam com a adição de agrotóxicos e outros pesticidas, por isso contem mais sabor e qualidade. Apresenta os mesmos benefícios do expresso, porém contribuem mais para a saúde uma vez que não contém aditivos químicos.

Descafeinado

O café descafeinado tem sido muito consumido mundialmente por pessoas que querem ter um estilo de vida mais saudável e deixar para trás alguns vícios, e por outras que não querem sentir os possíveis efeitos colaterais da cafeína, quando consumida em excesso.

O café “sem cafeína” pode conter alguns traços de cafeína em sua composição.

A legislação brasileira permite que um café considerado descafeinado possua no máximo 0,1% de cafeína.

O consumo de descafeinados possui “prós e contras”.

Um efeito negativo da descafeinação é que o processo pode alterar a qualidade sensorial do café.

Os cafés sem cafeína também apresentam menor presença de compostos antioxidantes.

Por outro lado, existem alguns benefícios no consumo dessa variedade de café.

Diversos estudos sugerem que este consumo está relacionado à um menor risco do desenvolvimento de diabetes tipo 2, à diminuição no risco de desenvolvimento de cálculos renais e à redução dos níveis de ácido úrico.

Sabendo que a ingestão de cafeína em excesso pode causar insônia, ansiedade e aumento de pressão arterial em algumas pessoas, o consumo de café descafeinado se torna uma boa opção para fugir desses efeitos desagradáveis ao organismo de alguns.

Resumo:

Café descafeinado é produzido pela extração de cafeína dos grãos de café usando solventes. Ele não apresenta todos os mesmos benefícios de saúde que o café comum.

E o café coado?

Filtro, água fervendo, pó de café e mais nada!

O café coado é aquele presente diariamente em nossas casas.

Assim como todas as variedades de café que citamos acima, o café coado possui as propriedades benéficas dos grãos de café: benefícios antioxidantes, estimulantes, protetor de diversos sistemas do nosso corpo, como neurológico, renal entre outros.

Importante: algumas pessoas passam o café utilizando o filtro de papel e outras o de pano.

O importante é sempre manter a higienização correta.

O filtro de papel deve ser lavado com a água previamente fervida para o café e o de pano também.

Este pode sempre ser higienizado somente com água, e o ideal é que seja mantido na geladeira para evitar a proliferação de microrganismos.

O sabor do café difere entre essas duas maneiras de coar.

A diferença entre café filtrado em papel é que este tende a ser mais leve e o coado em pano mais encorpado.

Não podemos esquecer: café demais pode causar prejuízos a saúde.

Resumo:

O café coado tem as mesmas propriedades benéficas dos grãos de café: benefícios antioxidantes, estimulantes, protetor de diversos sistemas do nosso corpo, como neurológico, renal entre outros.

Então, escolha sua variedade preferida e aproveite com moderação!

Referências:

  1. Camargo, M. C. R., and M. C. F. Toledo. “Caffeine content of commercial Brazilian coffee.” Food Science and Technology4 (1998): 421-424. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-20611998000400012&script=sci_arttext&tlng=es
  2. Romeiro, Sara, and Mayumi Delgado. “A saúde numa chávena de café.” Revista Nutrícias15 (2012): 20-23. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S2182-72302012000400005&script=sci_abstract&tlng=en
  3. Abrahão, Sheila Andrade, et al. “Compostos bioativos em café integral e descafeinado e qualidade sensorial da bebida.” Pesquisa Agropecuária Brasileira12 (2009): 1799-1804. Disponível em: http://seer.sct.embrapa.br/index.php/pab/article/view/1261/5594
  4. Lima, Adriene Ribeiro, et al. “Compostos bioativos do café: atividade antioxidante in vitro do café verde e torrado antes e após a descafeinação.”  Nova33.1 (2010): 20-24. Disponível em: http://submission.quimicanova.sbq.org.br/qn/qnol/2010/vol33n1/03-AR08458.pdf
  5. de Siqueira, Haloysio Miguel, Paulo Marcelo de Souza, and Niraldo José Ponciano. “Café convencional versus café orgânico: perspectivas de sustentabilidade socioeconômica dos agricultores familiares do Espírito Santo.” Ceres2 (2015). Disponível em: http://www.ceres.ufv.br/ojs/index.php/ceres/article/view/3591/1473
  6. da Silva, Aline Fonseca, Valéria Paula Rodrigues Minim, and Milene Moreira Ribeiro. “Análise sensorial de diferentes marcas comerciais de café (Coffea arabica L.) orgânico.” Ciência e Agrotecnologia, Lavras 29.6 (2005): 1224-1230. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Aline_Soares6/publication/262625163_Sensory_evaluation_of_differents_comercial_marks_of_the_organic_coffee_Coffea_arabica_L/links/58a3529f458515d15fd98fe3/Sensory-evaluation-of-differents-comercial-marks-of-the-organic-coffee-Coffea-arabica-L.pdf
  7. Andrade, Kátia Suzana. “Avaliação das técnicas de extração e do potencial antioxidante dos extratos obtidos a partir de casca e de borra de café (Coffea arabica L.).” (2011). Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/95258
Marcações:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *