Lúpus: cuidados com a alimentação, o que comer e cardápios

PUBLICIDADE

Você já ouviu falar em Lúpus?

O Lúpus é uma doença auto imune que acomete mais o sexo feminino, principalmente na idade entre os 20 e 30 anos, cuja causa ainda permanece obscura. Além do tratamento medicamentoso, a nutrição têm um papel fundamental no controle dessa doença!

O que é Lupus?

O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é por definição, uma doença inflamatória crônica, de natureza auto-imune, ou seja, o corpo passa a produzir anticorpos, que são células que têm a função de identificar e “matar” agentes que causariam algum mal pra saúde, mas ao invés disso, elas passam a atacar as células do próprio corpo!

Essa doença evolui por crises que atingem as articulações, os tendões, a pele e outros órgãos, e gera diversos quadros clínicos que podem ser fonte de incapacidade física e profundo sofrimento psicológico, bem como uma ameaça à vida da pessoa.

Atinge sobretudo mulheres jovens, entre os 20 e os 30 anos de idade, e pode mais raramente aparecer nas crianças (sobretudo do sexo feminino), e nos indivíduos idosos. O Lúpus é mais frequente nas mulheres (9 em cada 10 doentes são do sexo feminino), e a doença é mais grave entre indivíduos negros.

É importante frisar que o Lúpus não é contagioso, uma vez que, como dissemos anteriormente, trata-se de uma doença mediada por anticorpos. Pesquisadores da área reconhecem que esse tipo de doença crônica, embora de causa desconhecida, tem uma dimensão psicossomática prevalente, o que quer dizer que o estresse, situações psicológicas extremas, entre outras circunstâncias podem ser responsáveis pelo seu desencadeamento, evolução, agravamento e também possível controle.

São conhecidos dois tipos principais de Lúpus: o cutâneo ou discoide, que se manifesta apenas com manchas na pele, principalmente nas áreas que ficam mais suscetíveis à exposição solar (rosto, orelhas, decote e nos braços); e a forma sistêmica, na qual um ou mais órgãos estão envolvidos. Nesse sentido, tanto a gravidade das lesões, quanto os tecidos e órgãos atingidos, variam de doente para doente, dependendo da quantidade e da variedade dos anticorpos presentes e dos órgãos afetados.

O acompanhamento médico regular e a motivação/disciplina do doente quanto à adequada execução do tratamento devem ser considerados como primordiais no tratamento do Lúpus.

Resumo

O Lúpus Eritematoso Sistêmico é uma doença inflamatória crônica, de natureza auto-imune.

O Lúpus não é contagioso e atinge sobretudo mulheres jovens, entre os 20 e os 30 anos de idade.

Esse tipo de doença crônica, embora de causa desconhecida, tem uma dimensão psicossomática prevalente, o que quer dizer que o estresse, situações psicológicas extremas, entre outras circunstâncias podem ser responsáveis pelo seu desencadeamento, evolução, agravamento e também possível controle.

São conhecidos dois tipos principais de Lúpus: o cutâneo ou discoide, que se manifesta apenas com manchas na pele, principalmente nas áreas que ficam mais suscetíveis à exposição solar (rosto, orelhas, decote e nos braços); e a forma sistêmica, na qual um ou mais órgãos estão envolvidos.

Quais cuidados devemos ter com a alimentação

De fato, a dieta pode auxiliar no controle do quadro inflamatório da doença e das complicações do próprio tratamento (principalmente por causa dos medicamentos utilizados que a longo prazo desencadeiam o surgimento de inúmeras doenças).

Tendo em vista que o risco para o surgimento de doenças do coração e sistema circulatório parece ser aumentado em pacientes com LES, devido à maior frequência de condições associadas à formação de placas de gorduras nos vasos (uma condição chamada aterosclerose) como dislipidemia, diabetes mellitus, síndrome metabólica e obesidade, a orientação nutricional surge como uma importante maneira de minimizar tais complicações.

VEJA TAMBÉM:  Benefícios da amêndoa para você e sua saúde

Pacientes tanto com doença ativa quanto inativa apresentam maiores níveis de triglicerídeos e de VLDL, que podem “grudar” nos vasos sanguineos e levar a obstrução dos mesmos, associado a menores níveis de HDL, que é o colesterol bom que protege os vasos, mas elas são agravadas pela maior atividade inflamatória da doença, o que demonstra que o LES, por si só, promove uma maior propensão ao desenvolvimento de doenças do coração.

Além disso, os medicamentos anti-inflamatórios como corticosteroides, induzem o aparecimento de outros fatores de risco, como obesidade, pressão alta, excesso de insulina do sangue e resistência insulínica.

Diante disso, e considerando todos os aspectos favoráveis e desfavoráveis dos principais nutrientes, podemos afirmar que a dieta adequada ao tratamento do LES tem como objetivos principais a redução de risco para doença cardiovascular, bem como a redução dos fatores inflamatórios e a melhora da função imunológica.

Os pacientes com LES podem se beneficiar de uma dieta nutricionalmente equilibrada para a  manutenção de um peso corporal ideal e com controle de ingestão de calorias para evitar a resistência à insulina, e aumento do colesterol ruim, além de promover o aumento nos níveis de colesterol bom.

Indivíduos portadores de LES devem ser orientados a seguir uma alimentação com teores calóricos reduzidos e teores proteicos moderados, como forma de prevenção e/ou tratamento do excesso de peso. Nesse caso, com relação às proteínas, a L-canavanine (um aminoácido presente em brotos e sementes de alfafa, cebola e soja) que agrava os sintomas do LES, está contraindicada.

Recomenda-se, quanto às gorduras da dieta, maior oferta de ácidos graxos mono e poli-insaturados na alimentação diária, devido às suas funções anti-inflamatória e protetora cardiovascular. A suplementação com ômega-3 pode ser sugerida frente aos inúmeros benefícios. Por outro lado, o ômega-6 e as outras fontes de gorduras saturadas e trans devem ser restritos ao máximo na dieta, devido a seus efeitos pró-inflamatórios e agravantes de doença cardiovascular, respectivamente.

Importante também é a oferta vitamínica, principalmente da vitamina D, das fibras e de minerais, como cálcio e selênio. Por outro lado, as fontes de zinco e de sódio devem ser restritas, como prevenção de possíveis agravamentos da doença.

Dessa forma, as recomendações nutricionais visam oferecer melhor qualidade de vida aos pacientes com LES, possibilitando maior eficiência e “segurança” no curso de seu tratamento.

Resumo

O risco para o surgimento de doenças do coração e sistema circulatório parece ser aumentado em pacientes com LES devido à maior frequência de condições associadas à formação de placas de gorduras nos vasos sanguíneos.

A orientação nutricional surge como uma importante maneira de minimizar tais complicações.

Indivíduos portadores de LES devem ser orientados a seguir uma alimentação com:

  • Teores calóricos reduzidos e teores proteicos moderados, como forma de prevenção e/ou tratamento do excesso de peso;
  • >Maior oferta de ômega-3 na alimentação diária, devido às suas funções anti-inflamatória e protetora cardiovascular. Por outro lado, o ômega-6 e as outras fontes de gorduras saturadas e trans devem ser restritos ao máximo na dieta;
  • Importância da oferta de vitamina D, fibras e de minerais como cálcio e selênio. Entretanto, as fontes de zinco e de sódio devem ser restritas, como prevenção de possíveis agravamentos da doença.

O que comer e cardápíos

O ideal é oferecer o melhor apoio possível ao seu organismo, fazendo refeições variadas e balanceadas, baseadas em alimentos integrais.

VEJA TAMBÉM:  O que é Hipercolesterolemia familiar, seus sintomas e tratamentos

Outro aspecto importante a ser considerado é que sempre que possível você deve escolher por comprar alimentos orgânicos, uma vez que, teoricamente, reduziríamos sua exposição a toxinas e pesticidas.

Hortaliças cruas e frutas cítricas são ricas em fibras (que aliviam problemas digestivos) e em antioxidantes (que combatem a inflamação).

Para obter proteção antioxidante adicional, consuma gérmen de trigo e óleos processados a frio (como azeite de oliva), devido ao seu alto conteúdo de vitamina E.

Os ácidos graxos essenciais (gorduras boas) ajudam a reduzir a inflamação. Por isso, consuma peixes, linhaça e gergelim, e caso seu médico ou nutricionista julguem necessário suplemente ômega-3!

Durante uma crise de lúpus, os anticorpos podem atacar a cartilagem das articulações. Os danos podem ser parcialmente reparados por meio da ingestão de alimentos ricos em enxofre (cebola, alho e aspargo).

O uso de corticoides está associado à perda de massa óssea e à osteoporose. Se o uso for necessário, aumente o consumo de cálcio (leites, iogurtes, queijos, vegetais verde escuros).

A suplementação com geleia real (substância gelatinosa produzida por abelhas) também foi considerada benéfica. Isso porque sua composição rica em aminoácidos livres, carboidratos simples, proteínas, ácidos graxos de cadeia curta e vitaminas promove redução de colesterol e apresenta atividades positivas sobre o sistema imunológico e anti-inflamatórias.

Aumente o consumo de água também, beba um copo a cada 2 horas. Evite açúcares, carboidratos refinados, gorduras saturadas, café e álcool.

Abaixo deixamos uma sugestão de cardápio antioxidante e anti-inflamatório:

  • Café da manhã: suco de acerola com 1 colher de chá de gérmen de trigo e 1 copo de iogurte com farelo de aveia.
  • Lanche da manhã: 1 torrada com 1 fatia de queijo e abacate com 1 xícara de chá verde.
  • Almoço: arroz integral, feijão, 1 bife de peito de frango grelhado, salada de folhas (preferencialmente verde escuras) com manga e de sobremesa 3 quadradinhos (30g) de chocolate 70% cacau.
  • Lanche da tarde: 30g de cereais com amêndoas e leite (pode ser de origem animal ou vegetal).
  • Jantar: creme de abóbora com gengibre e 1 fatia de pão integral.
  • Ceia: 250g de mingau de aveia  ou 1 iogurte.

Referências:

  1. Klack, K., Bonfa, E., Neto, E. F. B. Dieta e aspectos nutricionais no lúpus eritematoso sistêmico. Rev Bras Reumatol 2012;52(3):384-408. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbr/v52n3/v52n3a09.pdf;
  2. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Portaria SAS/MS nº 100, de 7 de fevereiro de 2013, retificada em 22 de março de 2013. Lúpus eritematoso sistêmico. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Protocolos/LupusEritematoso_Sistemico.pdf;
  3. Araújo, A. D., Traverso-Yépez, M. A. Expressões e sentidos do lúpus eritematoso sistêmico (LES)
    Estudos de Psicologia 2007, 12(2), 119-127. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epsic/v12n2/a03v12n2;
  4. Alves, V. L. P., et al. Significados do adoecer para pacientes com lúpus eritematoso sistêmico: revisão da literatura . Rev. Bras Reumatol 2015; 55(6):522–527. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbr/v55n6/0482-5004-rbr-55-06-0522.pdf.
PUBLICIDADE

Escrito por

Andrea Rampazzo

Nutricionista com CRN 31884 formada em Nutrição pela Universidade Federal de Alfenas – MG

Mestre Fisiologia da Nutrição pelo Departamento de Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria – UNIFESP. Pós- graduanda em Metabolismo do atleta pelo Instituto Hi-Nutrition. Atua como nutricionista clínica no "Espaço Evoluir" na cidade de Itupeva-SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *