Repositores hidroeletrolíticos: o que são, para quem é indicado e como usar

PUBLICIDADE

Os repositores hidroeletrolíticos surgiram nos EUA, na década de sessenta, quando o médico Robert Cade desenvolveu um “soro” para aumentar a resistência dos jogadores de futebol americano do time Gators que, na época, estava perdendo muitos jogos. O produto apresentou bons resultados e foi chamado de Gatorade, mistura dos nomes do time e do seu idealizador.

O que são repositores hidroeletrolíticos

Os repositores hidroeletrolíticos, segundo a legislação brasileira, são formulações de concentração variada de água, sódio e cloreto (principais eletrólitos) associadas a concentrações diversas de carboidratos. Opcionalmente, esses produtos podem conter vitaminas, potássio e outros minerais.

Também chamados de repositores hidroeletrolíticos isotônicos (ou apenas isotônicos), esse tipo de bebida esportiva tem como objetivo uma rápida hidratação e reposição de eletrólitos perdidos pelos atletas durante a prática de atividades físicas.

Resumo

Também chamados de isotônicos, os repositores hidroeletrolíticos são formulações de concentração variada de água, sódio e cloreto (principais eletrólitos) associada a concentrações diversas de  carboidratos. Opcionalmente, esses produtos podem conter vitaminas, potássio e outros minerais.

O principal objetivo desse tipo de bebida é uma rápida hidratação e reposição de eletrólitos perdidos durante o trabalho físico intenso.

Para quem e quando é indicado utilizar os repositores

Exercícios físicos de maior intensidade e duração fazem com que o nosso corpo mobilize uma grande quantidade de energia, que fica estocada sob a forma de carboidratos e gorduras, resultando em produção de calor.

Como resultado dessa produção de calor, a temperatura do corpo aumenta e, para evitar um super aquecimento, é produzido o suor para resfriá-lo. A quantidade de suor aumenta progressivamente com a intensidade da atividade física e as condições ambientais tais como temperatura, umidade, radiação solar, vestimenta etc.

Indivíduos que suam intensamente por um tempo prolongado podem desidratar, ocasionando redução de seu desempenho físico e causando danos à sua saúde.

A perda de líquidos e da reserva corporal de carboidratos são as causas principais de fadiga em um exercício prolongado, sendo evidente que as bebidas para indivíduos que praticam esse tipo de exercício ou que se encontram em situações de risco de desidratação (como em determinados trabalhos), devem conter carboidratos (fonte de energia) e sais minerais, em particular o sódio, e devem ser preferidas em comparação à hidratação com água somente.

VEJA TAMBÉM:  Proteína do leite (Whey) ou proteína da carne (Beef), qual a melhor proteína isolada?

As bebidas isotônicas passam a ser indicadas quando o indivíduo perde mais de 2% do peso corporal pela transpiração. Nestes casos, tornam-se bastante indicadas como substitutas da água, por apresentarem concentrações de sódio e outros minerais que são eliminados durante o trabalho físico intenso.

Entretanto, existem limites para essa hidratação, pois a ingestão de grandes volumes de líquido pode levar a desconfortos no estômago e intestino. Assim, o principal propósito de ingerir qualquer bebida imediatamente antes e durante um exercício físico é suprir fluidos e energia ao máximo, minimizando, porém, o risco de aparecimento de tais desconfortos, já que o objetivo dos repositores hidroeletrolíticos é melhorar a taxa de hidratação e retardar a fadiga.

A ingestão de fluidos com eletrólitos também é importante em muitas situações não esportivas, principalmente em temperatura ambiente elevada, quando há um aumento na ingestão de líquidos.

Resumo

Para quem é indicado: indivíduos submetidos à condições de trabalho físico intenso, sejam essas atividades relacionadas ou não à pratica de exercício. Em especial, as bebidas isotônicas passam a ser indicadas quando o indivíduo perde mais de 2% do peso corporal pela transpiração.

Quando tomar: no caso de atletas e praticantes de atividade física o ideal é tomar durante o exercício, ou em situações em que a temperatura ambiente está elevada (mais de 35°C), quando há um aumento na ingestão de líquidos.

Como utilizar repositores hidroeletrolíticos

Durante o exercício físico é recomendado consumir de 500 ml a 2 litros de água e/ou isotônico. A quantidade vai depender da taxa de transpiração. Se suou pouco, deve beber menos.

A proporção de “muito” ou “pouco” suor perdido durante o exercício pode ser estimada de forma simples:

  • Pese-se antes e depois da atividade e transforme o resultado de gramas em mililitros. Por exemplo: se você perdeu 400 gramas, reponha 400 ml durante a atividade. O ideal é repor isso com metade de água e metade de isotônico, de forma fracionada.
VEJA TAMBÉM:  Proteína da Carne Beef Protein: O que é, como tomar e onde comprar

Se suou muito, são necessários em média cerca de 1 litro de isotônico e mais 1 litro de água. Após as atividades, o consumo ideal é de 1,5 litro de líquido para cada quilo perdido. Pode ser com suco de fruta natural, água, isotônico ou água de coco. A reposição deve ser feita nas 2 horas seguintes ao treino, também de forma fracionada. Nesse momento, também é importante consumir frutas e outros alimentos para ajudar na recuperação!

Referências:

  1. Tese de Doutorado. ESTUDO DA ESTABILIDADE DE REPOSITOR HIDROELETROLÍTICO FORMULADO À BASE DE SUCOS CLARIFICADOS DE ACEROLA E CAJU. Universidade Estadual de Campinas, 2004. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/255494
  2. Tese de dutorado. FORMULAÇÃO DE UM REPOSITOR HIDROELETROLÍTICO PARA O TRABALHO FÍSICO OSTENSIVO DE POLICIAIS MILITARES, ADAPTADO AS VARIAÇÕES CLIMÁTICAS DE
    FLORIANÓPOLIS. Universidade Federal de Santa Catarina, 2003. Disponivel em: https://core.ac.uk/download/pdf/30367638.pdf
  3. Graciano, L. C. et al. NÍVEL DE CONHECIMENTO E PRATICA DE HIDRATAÇÃO EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA EM ACADEMIA. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 8. n. 45. p.146-155. 2014. Disponível em: http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/447
PUBLICIDADE

Escrito por

Andrea Rampazzo

Nutricionista com CRN 31884 formada em Nutrição pela Universidade Federal de Alfenas – MG

Mestre Fisiologia da Nutrição pelo Departamento de Pediatria e Ciências Aplicadas à Pediatria – UNIFESP. Pós- graduanda em Metabolismo do atleta pelo Instituto Hi-Nutrition. Atua como nutricionista clínica no "Espaço Evoluir" na cidade de Itupeva-SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *