Óleo de Rícino: o que é, benefícios e como usar

O óleo de rícino é extraído das sementes da mamona, a planta Ricinus communis, e cresce principalmente em países como Índia, Brasil e China.

Ricinus communis é um arbusto da família Euforbiacea, oriundo da Etiópia e gradativamente disseminado para a África do Sul, região do Mediterrâneo e regiões mais quentes da Ásia. É cultivada em toda zona tropical e subtropical do mundo.

Possui fácil cultivo, resistência à seca e boa adaptação a diferentes condições. Além de ser tolerante a uma ampla faixa de temperatura.

A partir das sementes de Ricinus communis se extrai o óleo de rícino, o qual representa, em média, cerca de 46 a 55% em peso de cada semente, podendo chegar a 60%.

É um óleo altamente viscoso, de cor amarelo-claro, não volátil, não comestível, formado principalmente de ácido ricinoléico (mais de 90%) e pequenas quantidades de outros ácidos, como: oléico (parcela do ômega-9), linoléico, linolênico (parcelas do ômega-6), esteárico e dihidroxiesteárico.

O ácido ricinoléico absorvido é convertido em prostaglandinas, evitando os sintomas da deficiência desta substância que são: distúrbios menstruais, artrites, pressão sanguínea alta, tendência a engordar, entre outras.

Para que serve o óleo de rícino

Há séculos este óleo vem sendo utilizado por suas propriedades lubrificante e laxante, além de diversos outros usos como:

  • matéria-prima na fabricação de detergentes e cosméticos;
  • produtos farmacêuticos, tais como compostos antifúngicos e lubrificantes espermicidas;
  • próteses;
  • revestimento de tecido, tintas, vernizes, ceras, giz de cera, pomadas;
  • e produção de biodiesel.

Benefícios do óleo de rícino

Melhora a imunidade

O óleo de rícino é considerado um excelente estimulador do sistema imunológico, em parte pela concentração de ácidos graxos essenciais.

Por estimular o fígado, a vesícula e o cólon, melhora a circulação linfática e favorece o sistema de proteção ao corpo.

Laxante

O óleo de rícino tem sido utilizado como laxante em quadros de constipação crônica. Esta ação é dada através de um quadro de irritação da mucosa intestinal que aumenta o peristaltismo.

Bom para a pele

Este óleo apresenta capacidade de penetrar facilmente na pele e, por isso, empregam o óleo de rícino como emoliente em cremes para a pele.

Ajuda na hidratação da pele e estimula a produção de colágeno e elastina, atuando, assim, na prevenção de rugas e linhas de expressão.

Além disso, alivia as coceiras, arranhões na pele e os calos e também pode ser usado para aliviar a dor e inchaços locais.

O óleo também auxilia na redução do aparecimento de acnes, atuando na limpeza e hidratação da pele.

Propriedades analgésicas e anti-inflamatórias

Possui ação descongestionante no sistema linfático, agindo diretamente no sistema imunológico, onde estimula a glândula timo e aumenta a contagem de linfócitos.

E, dessa forma, atua na melhora de doenças auto-imunes como a artrite, que causa dor e inflamação nas articulações.

Função fungicida

Graças ao ácido undecilênico, que é um produto de degradação do ácido graxo rícinoléico, abundante no óleo de rícino, ele pode ser usado para tratar doenças fúngicas comuns como micose e pé de atleta.

Vários benefícios para os cabelos

Restauração e crescimento dos cabelos

Devido ao ômega-6 e ômega-9, o óleo de rícino pode dar mais volume ao fio de cabelo. O ácido graxo estimula o couro cabeludo e os folículos pilosos (onde os cabelos nascem), fortalecendo assim os fios.

Além disso, combatem as infecções e o crescimento de bactérias e fungos que poderiam impedir o crescimento capilar por apresentar propriedades antibacterianas e antifúngicas.

Controle da queda de cabelo

O óleo de rícino atua no controle da queda de cabelo, pois contém vitamina E, minerais e outras vitaminas que auxiliam no crescimento e fortificação dos fios.

Hidratação dos fios

Além de ativar a circulação sanguínea no couro cabeludo, hidratam os fios e selam a cutícula da fibra capilar, dando brilho principalmente em cabelos ressecados e com pontas duplas.

Auxilia no tratamento de doenças como a dermatite seborréica.

Há ainda benefícios do óleo de rícino para o crescimento das sobrancelhas e dos cílios, hidratação das cutículas e até fortalecimento das unhas.

Para saber mais, leia o artigo “Como usar óleo de ricino para cabelo, sobrancelha e cílios“.

Cicatrizante natural

O óleo de rícino também tem uma ação cicatrizante potente, devido à presença da vitamina E. E, por isso, pode auxiliar na redução de estrias recentes, aquelas com aspecto avermelhado.

É, ainda, um ótimo cosmético pós-sol, pois associa a sua capacidade de cicatrização com a hidratação natural.

Como usar o óleo de rícino

Para hidratação do fios

Para ser usado puro no couro cabelo para a hidratação dos fios é importante seguir a receita abaixo:

  • 1 pote de iogurte natural
  • 1 colher de sopa de óleo de rícino

Misturar o óleo no iogurte e aplicar nos cabelos lavados e ainda úmidos. Deixar agir por uns 20 minutos. Enxaguar em seguida.

Para estimular o crescimento dos fios do cabelo

Deve-se aplicar o óleo diretamente na raiz do cabelo e massagear. Deixar por algumas horas (no máximo 12 horas) e depois lavar.

Fazer a aplicação cerca de 3 vezes na semana.

Para estimular o crescimento dos cílios

Deve-se aplicar o óleo com um pincel de rímel nos cílios.

Para aumentar a sobrancelha

Aplicar o óleo sobre as sobrancelhas massageando levemente, tomando cuidado para não cair nos olhos. Depois enxaguar bem e repetir a aplicação cerca de 3 vezes na semana.

Para hidratação da pele

Pode ser diluído em outros óleos como, por exemplo, o óleo de semente de uva, favorecendo assim seu poder de hidratação.

Pode ser usado no banho, como óleo de massagem, ou em shampoos e cremes.

  • 1 colher de sopa de óleo de rícino
  • 1 colher de sopa de óleo de coco

Misturar os óleos e aplicar no corpo. Deixar agir por uns 30 minutos e depois enxaguar.

Para hidratar cutículas e fortalecer unhas

Passar o óleo de rícino diretamente nas unhas à noite e lavar na manhã seguinte.

Para prevenir estrias

  • 1 colher de sopa de óleo de rícino
  • 1 colher de sopa de óleo de sua preferência

Misturar os óleos e aplicar na área desejada, massagear cerca de 2 vezes ao dia.

Para limpeza de pele e acne

Após lavar o rosto com água morna para promover a abertura dos poros, deve-se umedecer um algodão com uma pequena quantidade de óleo de rícino e aplicar na pele do rosto ou da região afetada pela acne. Com movimentos circulares e leves, o óleo é estimulado a penetrar nos poros e facilitar a retirada de impurezas.

Após isso, pode-se tirar o excesso de óleo com um algodão limpo e seco ou lavar o rosto com sabonete neutro.

Outra forma de uso do óleo

O consumo oral do óleo de rícino serve como laxante, porém não deve ser usado com frequência. Pois o uso prolongado pode trazer graves problemas de saúde.

Normalmente é usado somente como tratamento temporário ou como forma laxativa de preparo para exames.

A dose usual é de 1 a 2 colheres de sopa para adultos.

É possível misturar o óleo de rícino com o suco de laranja, por exemplo, para torná-lo mais saboroso.

Ao contrário de outros laxantes que atuam no cólon, a ação do óleo de rícino começa no intestino delgado. Em um período que varia de 2 a 5 horas, o efeito do laxante deve surtir.

Contraindicações

O óleo de rícino é contraindicado nos casos de obstrução intestinal, gravidez e lactação. Seu uso não pode ultrapassar mais de 5 dias contínuos.

Intoxicação

O risco de intoxicação somente acontece quando há a ingestão das sementes do fruto, por serem venenosas devido à presença da proteína tóxica “ricina”.

Por isso, é sempre importante consultar antes um médico ou um especialista para garantir total benefício do uso do óleo de rícino!

Referências:

  1. FERREIRA, L. M. B. Síntese e caracterização de adutos óleo de rícino maleinizado-meglumina como potenciais carreadores de fármacos. Dissertação de mestrado. UNESP, Araraquara. 2012. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/97816/ferreira_lmb_me_araiq.pdf;jsessionid=8562C5A5DB1A229F19BDC29E357FC686?sequence=1
  2. FONSECA, N. B. S.; SOTO-BLANCO, B. Toxicidade da ricina presente nas sementes de mamona. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 35, n. 3, p. 1415-1424, maio/jun.2014. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/semagrarias/article/view/15034/14546
  3. Florien fitoterapia. Disponível em: http://florien.com.br/wp-content/uploads/2016/06/%C3%93LEO-DE-R%C3%8DCINO.pdf
  4. SCHNEIDER, R. C. S. Extração, caracterização e transformação do óleo de rícino. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2002. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/17513/000372595.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *