Espinheira santa: para que serve, benefícios e como fazer o chá

Sabe aquele chá amargo que sua avó fazia quando você tinha aquela queimação no estômago depois de comer demais ou passar do ponto na bebida? Provavelmente era o chá de espinheira santa, uma erva com propriedades medicinais, capazes de reduzir a acidez do estômago, amenizar as consequências de uma ressaca, além de ajudar no alívio de outros incômodos e na prevenção de algumas doenças.

Uma planta que comprova que a sabedoria popular pode caminhar junto com as evidências científicas: conheça os benefícios da espinheira santa!

O que é a espinheira santa?

A espinheira santa ou Maytenus ilicifolia é uma planta nativa da região sul do Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai, que tem suas folhas dotadas de vários “espinhos” e também pode ser conhecida como “espinheira-divina”, “cancorosa”, “cancerosa”, “cancrosa” e “maiteno”.

A espinheira santa se desenvolve em solos ricos em matéria orgânica, sob ambientes sombreados, dispersa nas matas e com umidade de média a alta. No Brasil, é utilizada como planta medicinal, desde a década de 1920, época na qual foram encontrados registros escritos de seu uso. A sabedoria popular utiliza o chá das folhas, das cascas ou das raízes da planta principalmente para aliviar os sintomas e tratar casos de má digestão e gastrite, o que foi já confirmado pela ciência.

Resumo

A espinheira santa é uma planta medicinal utilizada desde a década de 1920, principalmente na forma de chá das folhas, cascas ou raízes para aliviar os sintomas da má digestão e tratar gastrite e úlceras estomacais.

Para o que serve e quais os benefícios da espinheira santa para a saúde

A espinheira santa tem esse nome porque é considerada há muitos anos pelos índios e populares das regiões onde é cultivada como uma planta que é um “santo remédio”, e por isso o conhecimento sobre os seus benefícios foram passados de geração em geração.

Os principais benefícios da espinheira santa são seus efeitos contra a acidez e as úlceras estomacais, que são lesões que provocam feridas no estômago, atividades medicinais que foram comprovadas por pesquisas da Central de Medicamentos (Ceme) do Ministério da Saúde do Brasil.

Em um seminário realizado em 1986, a espinheira santa foi a única espécie divulgada e publicada pelo Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais, estimulando parcerias com empresas da indústria farmacêutica para aprimorar as pesquisas e promover a produção de medicamentos fitoterápicos à base da espécie vegetal.

As folhas dessa planta são tradicionalmente utilizadas pelas pessoas por meio do seu chá, preparado através de uma infusão das folhas em água fervente. Confira as principais propriedades terapêuticas e os benefícios da espinheira santa para a saúde:

  • Atividade gástrica: tem papel determinante no tratamento da úlcera péptica e gastrite, sendo que quanto maior o tempo de tratamento maior a proteção do estômago, o que consolida a planta como um fitoterápico eficiente no combate às desordens estomacais.
  • Ação anti-inflamatória: influencia na redução da inflamação, pois atua inibindo seus mediadores.
  • Atividade anti-cancerígena: alguns estudos apontam para a redução de tumores, sobretudo gástricos, com a utilização da substância.
  • Ação antiespasmódica: acalma ou neutraliza as contrações involuntárias dos músculos viscerais, auxiliando no alívio das dores e irritação do estômago.
  • Anti-microbiana: combate várias bactérias gram-positivas, como a Staphylococcus aureus e Streptococcus sp, agentes causadores de doenças e controla o Helicobacter pylori, responsável por lesões no trato digestivo, controlando sua presença.
  • Antiácida: atua no aumento do pH estomacal, reduzindo o impacto do ácido clorídrico nas paredes do estômago e auxiliando no tratamento da gastrite e das úlceras.
  • Cicatrizante: tem propriedades curativas e cicatrizantes comprovadas e comparadas, e em alguns casos superior a dois medicamentos muito usados no tratamento da esofagite e da gastrite, a ranitidina e a cimetidina, com efeitos colaterais muito mais suaves.

O uso desta planta medicinal por via oral é indicada no tratamento de úlceras e gastrites crônicas, feridas, azia, dispepsias (má-digestão), indigestão, acnes e eczemas, pois constitui uma alternativa natural ou complementar mais eficaz e menos tóxica do que os remédios prescritos para estes fins.

Pode ser encontrada no mercado sob diversas formas, como em extrato seco liofilizado, em tintura, cápsulas e as folhas in natura para uso na forma de chá de espinheira santa.

Efeitos da espinheira santa na digestão

Contribuir para uma boa digestão está entre os principais benefícios da espinheira santa, pois a planta atua como reguladora das funções estomacais e promove a proteção da mucosa gástrica.

A atividade de proteção do estômago e melhora da digestão não está ligada a um único mecanismo de ação, mas sim à presença de diversos componentes químicos presentes na planta que juntos tornam a espinheira santa um fitoterápico eficaz para a função gástrica.

A composição química das folhas de espinheira santa conta com polifenóis (taninos, catequinas e epicatequinas), o fitosterol triterpeno e outro importante grupo de antioxidantes, os flavonoides.

Os taninos possuem ações farmacológicas que auxiliam no processo de cura de feridas, queimaduras e inflamações, formando uma camada protetora sobre a mucosa ou a pele, protegendo e deixando a recuperação natural do organismo.

Enquanto o triterpeno tem função antitumoral e anti-inflamatória, além de ser precursor de hormônios esteroides. As catequinas, epicatequinas e os flavonoides apresentam forte atividade antioxidante, que auxiliam na eliminação do excesso de radicais livres gerados pela oxidação desenfreada das células, prevenindo o envelhecimento precoce e o desenvolvimento de doenças, e ainda tem atividade anti-hepatotóxica, o que quer dizer que protege o fígado e blinda o organismo contra fungos e bactérias.

Por atuar aprimorando o processo de digestão, a espinheira santa também auxilia na prevenção e melhora do mau hálito provocado pelas disfunções estomacais, que costuma ser forte e causar desconfortos, já que causa constrangimento e é difícil de sanar mesmo com uma boa saúde bucal.

Além disso, assim como outros chás, a atividade antioxidante significativa dos compostos químicos presentes nas folhas de espinheira santa, também apresenta ação diurética, que auxilia na eliminação do excesso de líquidos e pode ser aliada no emagrecimento.

Como fazer chá de espinheira santa e seus benefícios

O chá de espinheira santa é feito a partir de suas folhas, que apresentam um sabor amargo característico. Veja como fazer esta infusão que proporciona todos os benefícios do uso da espinheira santa quando consumida regularmente como parte de uma alimentação saudável:

  1. Adicione três colheres de sopa das folhas à 500 ml de água fervente;
  2. Abafe e deixe ferver por alguns minutos;
  3. Coe e tome ainda morno! Se achar preciso, adoce com mel para melhorar o sabor.

É importante tomar de 2 à 3 xícaras do chá por dia para que o organismo possa aproveitar realmente as propriedades medicinais do chá de espinheira santa.

Outras ervas como a hortelã, a lavanda, o alecrim e a erva cidreira podem ser eventualmente acrescentados à espinheira santa para variar o sabor, favorecendo a continuidade do tratamento com o chá da planta, e ainda aumentar os benefícios da infusão.

As contra-indicações do chá de espinheira santa incluem pacientes com histórico de hipersensibilidade e alergia a Maytenus ilicifolia, crianças menores de 12 anos, gestantes e lactantes. O infuso ou medicamento fitoterápico não é recomendado durante a lactação e a gravidez, pois diminui a produção de leite e pode provocar contrações uterinas, e em mulheres grávidas tem potencial abortivo. Não há relatos científicos de interações da espinheira santa com outros medicamentos.

Os benefícios do chá de espinheira santa podem, além de melhorar a função gástrica, influenciar a prevenção e tratamento de má digestão, azia, gastrite e úlceras, proporcionar aumento do bem estar e do funcionamento do organismo como um todo, já que uma boa digestão é fundamental não só para aliviar incômodos, mas para absorver de maneira adequada os nutrientes necessários para manter a saúde e a disposição em dia. Invista no bom e clássico chá de espinheira santa!

Referências:

  1. Jesus, W.M.M. Estudo das propriedades farmacológicas da espinheira santa (Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek) e de duas espécies adulterantes. Revista Saúde e Desenvolvimento / vol. – nº 1 / Jan – Jun 2012. Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/67
  2. Satel, R e Marques, N. Influência do fitoterápico Maytenus ilicifolia na gastroproteção. Revista Brasileira de Nutrição Funcional – ano 15, nº 63, 2015. Disponível em: https://www.vponline.com.br/portal/noticia/pdf/7408763d9de403c28b93079450334335.pdf
  3. Brasil, Biblioteca Virtual em Saúde. APS – Atenção Primária à Saúde. Home >SOF > Quais as evidências científicas do uso da Espinheira Santa no tratamento da úlcera gástrica? Disponível em: http://aps.bvs.br/aps/quais-as-evidencias-cientificas-para-o-uso-da-espinheira-santa-no-tratamento-de-ulcera-gastrica/
  4. Oliveira, R.S.; Cunha, S.C.; Colaço, W. Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae.
    Contribuição ao estudo das propriedades farmacológicas. Revista Brasileira de Farmacognosia – Brazilian Journal of Pharmacognosy 19(2B): 650-659, Abr./Jun. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbfar/v19n2b/a25v192b.pdf

Escrito por

Carla Lizandra

Nutricionista com CRN 44307 formada em Nutrição pela Universidade Presbiteriana Mackenzie

Cursos intensivos de extensão em Nutrição Clínica Aplicada e Personal Diet Pós graduanda em Nutrição Clínica: do Home-care ao Hospital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *