Vitaminas para cabelo: para crescer ou evitar a queda, saiba quais são

Vitaminas para cabelo: para crescer ou evitar a queda, saiba quais são

O cabelo e a forma como ele se apresenta tem um papel importante na imagem de qualquer pessoa, funcionando como uma moldura para o rosto. Através dele é possível expressar um estado de espírito, ganhar força no próprio reconhecimento e elevar a auto estima, melhorando a relação com o espelho.

Sejam curtos, médios ou longos; lisos, cacheados ou crespos; da cor natural ou coloridos, o que influencia a beleza dos cabelos não é o tamanho, textura ou cor, mas sim a saúde do couro cabeludo e dos fios.

Apesar de ficarem de lado em alguns momentos, os cabelos fazem parte do corpo e refletem de uma maneira geral os cuidados com o organismo, podendo ser prejudicado não só pelos fatores externos como a poluição, a umidade, ou a falta de hidratação, mas também pelo estresse, alimentação inadequada, e inclusive o sedentarismo.

Os cabelos, antes de mais nada, precisam ser cuidados de dentro para fora. Sendo assim, uma alimentação que não contenha vitaminas, proteínas e minerais necessários para a saúde do couro cabeludo e dos fios pode provocar a queda de cabelo e comprometer o seu crescimento, além de levar os fios a adquirirem uma aparência opaca e quebradiça.

Por outro lado, uma dieta equilibrada pode atuar diretamente no crescimento dos fios, fazendo os cabelos crescerem mais rápido, além de ficarem fortes e brilhantes. Saiba do que é composto e como funciona a estrutura capilar, e como a alimentação certa pode te ajudar a ter o cabelo lindo e saudável que você sempre sonhou!

Do que o cabelo é feito e como é a sua estrutura?

De modo geral, 88% do cabelo é composto por uma proteína chamada de queratina, a qual proporciona força e resistência aos fios, além de outros elementos como o ferro, o cobre, o zinco, o iodo, o hidrogênio e o enxofre que totalizam os outros 12%.

Cerca de 27% das proteínas dos cabelos são compostas por aminoácidos essenciais (aqueles que precisam ser obtidos através da alimentação) como fenilalanina, isoleucina, triptofano, metionina, leucina, valina, lisina e treonina.

Inicialmente, a deficiência destes aminoácidos causa diminuição na velocidade de crescimento, tornando os fios de cabelos mais finos e frágeis. Além disso, em estados de má nutrição mais críticos pode ocorrer a alopecia difusa, que consiste na queda de cabelo e seu enfraquecimento, sendo ainda mais agravada por alterações hormonais e episódios estressantes.

O folículo piloso é o local no qual se originam os cabelos e pelos. O mesmo começa a se desenvolver ainda na fase embrionária do bebê, por volta da nona semana de gestação. Após a 22ª semana, todos os folículos do corpo já estão maduros e por isso, antes mesmo de nascer, uma pessoa já tem o número de folículos pilosos que terá por toda a vida definido.

A raiz do cabelo fica no interior do folículo piloso, e por isso não recebe a coloração quando os fios são tingidos, por exemplo. Cada fio de cabelo, também chamado de haste capilar, poderia ser comparado com um lápis:

  • A parte mais interna – o grafite – seria a medula;
  • A madeira que envolve o grafite, seria o córtex;
  • A parte mais externa – a tinta – seria a cutícula.

Quando a cutícula sofre algum tipo de agressão, a tinta sai (cutícula) e a madeira (córtex) fica exposta, o que significa fios quebradiços.

O córtex e a medula da haste capilar, são responsáveis pelo brilho, maciez e penteabilidade dos cabelos, e estas camadas mais internas dos fios são afetadas por uma alimentação que não contenha os aminoácidos, vitaminas e minerais necessários à saúde do cabelo.

O que pode prejudicar a saúde dos cabelos?

A integridade da haste capilar depende da qualidade da queratina produzida no folículo piloso, mas também das agressões externas que o fio venha a sofrer.

Os fios de cabelo também podem ser afetados por traumas físico-químicos, como alisamentos, permanentes, tinturas e uso frequente de secadores, tonando-se secos e sem brilho e podem aumentar significativamente a sua fragilidade.

As condições nutricionais também podem ser determinantes na integridade da haste capilar, porque a alimentação influencia diretamente na qualidade da queratina originada no folículo piloso, assim como na ingestão de vitaminas e minerais que compõe e interferem na saúde do fio de cabelo.

As deficiências nutricionais podem levar a alterações no ritmo de crescimento, coloração do fio e também em suas propriedades mecânicas, como a resistência aos traumas, os quais o cabelo fica exposto.

O cabelo é dividido em três fases:

  • Fase anágena ou de crescimento, quando cada fio desenvolve-se independentemente, por cinco a seis anos. No adulto, 90% do cabelo estão nesta fase. A fase anágena pode ser tardia, o que retarda o crescimento do fio.
  • Fase catágena, estágio mais curto de vida que dura apenas algumas semanas. A parte mais profunda do folículo torna-se mais curta e próxima ao couro cabeludo.
  • Fase telógena ou de queda, quando os fios entram em repouso e não crescem mais. Aproximadamente 10% do cabelo, num adulto, está nesta fase. Ao fim da fase telógena, os fios caem. Entre queda e crescimento os fios se renovam. A perda acima de 20% a 30% de fios na fase telógena significa queda excessiva.

Como a raiz do cabelo possui uma boa irrigação sanguínea, as substâncias trazidas pelo sangue como os aminoácidos, vitaminas e minerais ingeridos pela dieta podem ser incorporadas no cabelo durante sua formação.

Assim, a má nutrição influencia no crescimento do pelo, na estrutura da haste e às vezes na sua cor, e a deficiência de nutrientes está relacionada com o retardo da fase anágena (fase de crescimento) e aceleramento da fase telógena (queda do cabelo) do fio, provocando diminuição do crescimento dos cabelos e aumentando a sua queda.

O papel das vitaminas e dos minerais no tratamento da queda e no aumento do crescimento dos cabelos

As vitaminas e os minerais são nutrientes reguladores, ou seja, funcionam como as engrenagens das máquinas de uma grande fábrica, que é o corpo humano. Não poderia ser diferente com os cabelos, que como foi relembrado por aqui, são uma extensão do corpo.

As vitaminas do complexo B, principalmente a vitamina B7 (também conhecida como biotina) e a vitamina B12 são muito importantes para o cabelo.

A biotina é importante para o desenvolvimento do folículo piloso. Sua deficiência causa alopecia difusa e despigmentação dos cabelos. Pode ser encontrada no fígado de boi, no chocolate, na gema de ovo e no amendoim, enquanto a vitamina B12 está presente em alimentos como as carnes (de boi, frango e peixes), o leite e derivados e também os ovos.

Para os cabelos crescerem fortes e brilhantes, a vitamina A também é essencial e pode ser encontrada em alimentos como a cenoura, a abóbora, a manga e o mamão. Os alimentos amarelos e alaranjados ricos em carotenóides funcionam como precursores da vitamina A, ou seja, ajudam na sua formação e podem atuar diretamente na saúde dos fios.

A vitamina E, presente em alimentos como os grãos e as sementes integrais, assim como em seus respectivos óleos, também ajuda muito a fortalecer o cabelo e favorece seu crescimento, pois age como antioxidante e aumenta a produção de colágeno, outra proteína importante envolvida na constituição dos cabelos e unhas.

Entre os minerais com maior importância para auxiliar na redução da queda e acelerar o crescimento dos cabelos estão:

  • Ferro: fundamental para a integridade dos fios, pois quando está deficiente (mesmo sem anemia evidente) provoca a queda do cabelo. Está presente em alimentos de origem animal e vegetal, como carne bovina, vísceras, feijão, beterraba e vegetais verde escuros. O ferro tem sua absorção melhorada quando consumido junto com alimentos fonte de vitamina C, como a laranja, a acerola e o limão.
  • Zinco: fator de crescimento e desenvolvimento dos cabelos. Sua deficiência pode deixar os cabelos finos, quebradiços, sem brilho e avermelhados. Pode ser encontrado nas carnes bovinas, de frango e peixe, camarão, ostras, fígado, grãos integrais, castanhas, cereais, legumes e tubérculos, leite e derivados.
  • Selênio: outro mineral importante em vários processos antioxidantes e quando está em falta pode causar o clareamento dos cabelos. A principal fonte alimentar do selênio é a castanha do Pará.
  • Manganês: atua na cutícula dos fios permitindo sua ideal lubrificação e fortalecendo o bulbo capilar. É encontrado em frutas, legumes e verduras, em cereais como a aveia, na soja, na amêndoa, na carne bovina e no feijão.

Além destas vitaminas e minerais, uma correta hidratação também precisa ser levada em conta, porque a cutícula, presente na superfície do fio do cabelo, ajuda a reter a água, que favorece a ação dos aminoácidos, responsáveis por hidratar a cutícula.

Ainda, o correto consumo de alimentos ricos em proteínas (carnes em geral, leite, queijos, iogurte, ovos, soja, feijão, ervilha, grão-de-bico, tofu) é fundamental para a saúde do cabelo, afinal, esse nutriente tem como ação principal a manutenção das estruturas dos tecidos do corpo, incluindo os fios de cabelo.

Todas as proteínas, vitaminas e minerais que atuam na saúde dos cabelos podem ser obtidos através de uma alimentação diversificada. No entanto, dependendo do caso e da avaliação do profissional de saúde responsável, a suplementação de nutrientes pode ser necessária a fim de otimizar a saúde capilar!
Mantenha uma alimentação saudável, colorida, variada e equilibrada a fim de evitar a queda dos cabelos e influenciar no desenvolvimento de fios mais fortes e brilhantes, independente de qual seja o seu tipo de cabelo! 
Referências:
  1. SANT’ANNA ADDOR, Flávia Alvim et al. Fatores nutricionais e resistência da haste capilar: estudo clínico piloto. Surgical & Cosmetic Dermatology, v. 4, n. 1, 2012. Disponível em http://www.surgicalcosmetic.org.br/detalhe-artigo/184/Fatores-nutricionais-e-resistencia-da-haste-capilar–estudo-clinico-piloto
  2. Sociedade Brasileira de Dermatologia. Home >Sua saúde >Cabelos >Cuidados gerais >Conheça os cabelos. Disponível em http://www.sbd.org.br/dermatologia/cabelo/cuidados/conheca-os-cabelos/
  3. Pujol, Ana Paula. Nutrição aplicada à estética. Editora Rubio, 2011, 924p. Disponível em https://issuu.com/editorarubio/docs/nutri____o_aplicada_a_estetica_-_is

Escrito por

Carla Lizandra

Nutricionista com CRN 44307 formada em Nutrição pela Universidade Presbiteriana Mackenzie

Cursos intensivos de extensão em Nutrição Clínica Aplicada e Personal Diet Pós graduanda em Nutrição Clínica: do Home-care ao Hospital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *