Leites vegetais: Qual o melhor entre leite de amêndoas, de castanha ou de coco

Leites vegetais: Qual o melhor entre leite de amêndoas, de castanha ou de coco

Os leites vegetais vêm sendo cada vez mais notados pelo crescimento do número de pessoas com restrições alimentares, como os alérgicos à caseína (proteína do leite) e intolerantes à lactose (o açúcar do leite), ou que buscam uma alimentação mais saudável e ética, como os vegetarianos estritos.

São considerados ótimas opções de bebidas e ainda oferecem diversos benefícios à saúde.

Dentre os leites vegetais, estão o leite de amêndoas, de castanha e de coco. Você sabe qual o melhor entre eles?

Leite de Amêndoas

O leite de amêndoas é resultado da trituração das amêndoas cruas com a água.

Possui características sensoriais semelhantes ao leite de vaca, como a cor e a consistência.

É uma bebida de fácil digestibilidade e sabor neutro, o que agrada muitas pessoas.

O extrato de amêndoa foi muito utilizado na cozinha da época da Idade Média, já que o leite de vaca estragava rapidamente.

É muito popular nos países próximos ao Mar Mediterrâneo, desde a Península Ibérica até o Leste da Ásia.

Por ser fonte de ácidos graxos monoinsaturados, o leite de amêndoas auxilia na redução dos níveis de colesterol LDL (colesterol “ruim”) e triglicérides no sangue, diminuindo o risco de doenças cardíacas.

As amêndoas estão entre as fontes mais ricas em vitamina E, promovendo grande atividade antioxidante. Isso faz com que os radicais livres sejam eliminados e retarda o envelhecimento precoce das células.

Por conter uma boa quantidade de gorduras, proteínas e fibras, é digerido mais lentamente, promovendo saciedade por mais tempo.

Dessa forma, vem sendo muito consumido por pessoas que desejam perder peso.

Cada 100 ml do leite de amêndoas apresenta, aproximadamente, 15 calorias, sendo 0,4 gramas de proteínas, 0,9 gramas de lipídios, 1,3 gramas de carboidratos e 0,2 gramas de fibras alimentares.

Além disso, também é rico em fitatos e fenólicos e fontes de vitamina E, magnésio, manganês, cobre, fósforo e riboflavina.

Resumo:

É baixo em calorias e não contém gordura saturada, boa fonte de vitamina A e pode ser fortificada para ser uma boa fonte de cálcio e vitamina D. É vegan e naturalmente livre de lactose.

Leite de Castanhas (Pará e Caju)

O leite de castanhas pode ser realizado com castanhas de caju ou castanhas do Pará cruas, por meio de sua trituração com água, se extraindo o resíduo.

Possui sabor agradável ao paladar da população e alto valor nutricional.

Por serem oleaginosas, apresentam alto teor lipídico e proteico.

O leite de castanha do Pará é rico em aminoácidos essenciais, em especial a metionina.

É também uma excelente fonte de selênio, um mineral com alto poder antioxidante. Porém, é necessário ficar atento ao excesso desse mineral, pois apresenta toxicidade.

Um copo de leite de castanhas do Pará ao dia já é o suficiente!

Apresenta grande quantidade de ácido linoleico (ômega-6), e minerais importantes como cobre, manganês, fósforo e magnésio.

Já o leite de castanha de caju é considerado fonte de fibras, carboidratos e lipídios, sendo sua maior parte monoinsaturados e poli-insaturados (as famosas gorduras “boas”).

É feito de uma mistura de castanha de caju ou manteiga de caju e água.

Além disso, é rico em ômega 6 e ômega 9, auxiliando a saúde cardiovascular.

Contém vitaminas, como a vitamina A, D, K e E, e minerais como manganês, potássio, cobre, ferro, magnésio e zinco.

É rico e cremoso e tem um sabor doce e sutil de castanha.

Ótimo para espessar smoothies, ou um café com leite e como um substituto para o leite de vaca em sobremesas.

O leite de caju contém menos de um terço das calorias do leite de vaca, metade da gordura e significativamente menos proteínas e carboidratos.

Devido ao seu baixo teor de proteína, o leite de caju pode não ser a melhor opção para pessoas com maiores necessidades de proteína.

O baixo teor de carboidratos e açúcar também o torna uma opção adequada para pessoas que precisam monitorar sua ingestão de carboidratos, como pessoas com diabetes.

Por último, o leite de caju é um dos leites mais fáceis de fazer em casa.

Resumo:

Leite de castanho do Pará e Caju são riquíssimos em nutrientes, tem um sabor agradável de castanhas, fácil de usar na culinária.

Leite de Coco

O leite de coco é uma bebida extraída da polpa fresca do coco seco ou verde.

Possui uma textura leitosa de cor branca, com sabor e aroma levemente acentuados, porém deliciosos.

Pode ser utilizado em diversas receitas, tanto doces quanto salgadas. É encontrado na forma líquida e em pó.

Apresenta propriedades nutricionais interessantes, uma vez que preserva os componentes do coco.

É rico em triptofano, aminoácido responsável pela produção de serotonina no cérebro. A serotonina é um hormônio que regula o sono e traz a sensação de bem estar para o organismo.

Além disso, o leite de coco possui outros aminoácidos como isoleucina, leucina, lisina, metionina, fenilalanina, treonina, tirosina, valina e cistina (formada por duas moléculas de cisteína).

Destes, a cistina está presente em maior quantidade no leite de coco do que no leite de vaca.

Esse nutriente é importante para a produção de antioxidantes, neutralizando radicais livres no estresse oxidativo, e para o auxilio do equilíbrio imunológico.

É composto também por triglicerídeos de cadeia curta que, ao serem quebrados em ácidos graxos de cadeias médias, são absorvidos rapidamente pelo intestino, fornecendo energia imediata para o organismo.

É classificado como gordura saturada por conter ácido láurico.

Esse ácido graxo possui potentes propriedades antimicrobianas e antifúngicas, protegendo o organismo contra fungos e bactérias.

O leite de coco é rico vitaminas, como a vitamina E, e minerais como ferro, potássio, magnésio, zinco, manganês, fósforo e cálcio.

Cada 100 ml dessa bebida apresenta 166 calorias, 1 grama de proteína, 18,4 gramas de lipídeos, 2,2 gramas de carboidratos e 0,7 gramas de fibras alimentares.

Resumo:

Raramente causa alergias. Pode ser fortalecido para ser uma boa fonte de cálcio, vitamina A e vitamina D. A gordura pode realmente promover a perda de peso.

Qual é melhor, o leite de amêndoas, castanha ou coco?

Todos os leites vegetais acima apresentam boas características sensoriais, como sabor agradável, aparência leitosa e podem ser usados como substitutos do leite de vaca em várias receitas.

Oferecem também diversos benefícios à saúde e, por serem de origem vegetal, não possuem colesterol e ainda contêm fibras, diferentemente do leite de vaca.

Resumo:

Todos citados acima são gostosos e proporcionam benefícios à saúde, portanto escolha o que mais te agradar.

 

Você já experimentou algum deles? Qual seu preferido?

Referências:

  1. Abath TN. Substitutos do leite animal para intolerantes à lactose. Universidade de Brasília, 2013. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/6346/1/2013_ThaísNavesAbath.pdf
  2. Chen CY, Lapsley K, Blumberg JB. A nutrition and health perspective on almonds. J Sci Food Agric. 2006. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/jsfa.2659
  3. Zucatti KP, Mello KT, Nespolo CR. Alergia às proteínas do leite e possíveis substituintes. Congresso de pesquisa e extensão da faculdade da Serra Gaúcha. 2015. Disponível em: http://ojs.fsg.br/index.php/pesquisaextensao/article/view/1655/1495
  4. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS – UNICAMP. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO. 4. ed. rev. e ampl. 2011. Disponível em: http://www.cfn.org.br/wp-content/uploads/2017/03/taco_4_edicao_ampliada_e_revisada.pdf
  5. Selbach CM. Avaliação do efeito da aplicação de aquecimento ôhmico na qualidade do leite de castanha de caju. 2016. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/147780
  6. Felberg I. et al. Bebida mista de extrato de soja integral e castanha-do-Brasil: caracterização físico-química, nutricional e aceitabilidade do consumidor. Alimentos e Nutrição. 2004. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Rosemar_Antoniassi/publication/49599673_Bebida_mista_de_extrato_de_soja_integral_e_castanha-do-Brasil_Caracterizacao_fisico-quimica_nutricional_e_aceitabilidade_do_consumidor/links/09e4150d1a92d41270000000.pdf 
  7. Carvalho MRACGP, Coelho NRA. Leite de coco: aplicações funcionais e tecnológicas. Revista Goiânia, 2009. Disponível em: http://tede2.pucgoias.edu.br/index.php/estudos/article/viewFile/1135/794

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *